Vacina elaborada em universidade dos EUA tem bons resultados em ratos

Os cientistas envolvidos no estudo, no entanto, apontaram que a avaliação da eficácia com humanos infectados pelo patógeno pode demorar meses

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, testaram com êxito com ratos uma vacina que neutraliza o novo coronavírus, que provoca a Covid-19, doença que se tornou pandêmica, segundo artigo publicado nesta quinta-feira na revista “EBioMedicine”.

Os cientistas envolvidos no estudo, no entanto, apontaram que a avaliação da eficácia com humanos infectados pelo patógeno pode demorar meses.

Segundo o artigo, a vacina é administrada em ratos através de microagulhas e produz anticorpos específicos contra o SARS-CoV-2, em quantidades consideradas para neutralizá-lo.

“Tivemos experiências prévias com o SARS-CoV, em 2003, e com o MERS-CoV, em 2014”, explica Andrea Gambotto, professor de cirurgia da Faculdade de Medicina da Universidade de Pittsburgh, se referindo a dois vírus relacionados com o que causa a Covid-19.

De acordo com o especialista, as pesquisas anteriores ensinaram aos cientistas que uma proteína em particular, conhecida como “spike” (uma espécie de chave, que se insere em um receptor das células humanas, para penetrá-las), é importante para induzir a imunidade contra o vírus.

“Sabíamos exatamente onde combater esse novo vírus, daí a importância de financiar a investigação de vacinos. Nunca se sabe de onde virá a próxima pandemia”, disse Gambotto.

Comparada com a vacina experimental mRNA, que começou a ser objeto de testes, a elaborada pelos pesquisadores de Pittsburgh “segue um processo mais estabelecido, usando peças de proteína viral feitas em laboratório, para estimular a imunidade”, assim como nas demais elaboradas contra a gripe.

Para potencializar o efeito, foi utilizado um método inovador, de microagulhas, com um aplicador adesivo, do tamanho da ponta de um dedo, com 440 agulhas muito pequenas e feitas de açucar, que administram as peças da proteína “spike” na pele, onde a reação de imunidade é mais forte.

Quando aplicadas em ratos, as vacinas geraram um aumento de anticorpos à SARS-CoV-2, em cerca de duas semanas, o suficiente para neutralizar o vírus.

Os autores já deram entrada no pedido de solicitação, junto às autoridades americanas, para iniciar os primeiros testes clínicos com humanos, o que não significa, no entanto, que haverá disponibilização para a população no curto prazo.

“A avaliação com pacientes, normalmente, requere um ano ao menos, provavelmente, mais tempo”, disse Louis Falo, diretor da cadeira de Dermatologia na Escola de Medicina da Universidade de Pittsburgh. EFE

Por

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e