União Europeia reforça sanções contra a Rússia

Os 27 integrantes do bloco avançam também com limitações às exportações e importações

A União Europeia (UE) anunciou novas sanções contra a Rússia. A medida mais emblemática é o congelamento dos ativos europeus detidos pelo presidente russo, Vladimir Putin, e pelo ministro dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov.

A UE decidiu também cortar o acesso russo aos principais mercados financeiros. Com essa medida, pretende atingir 70% da banca russa (maiores instituições financeiras do país) e empresas estratégicas controladas pelo Estado.

Os 27 integrantes do bloco avançam também com limitações às exportações e importações. Haverá, por exemplo, restrições à vendas de petróleo e à compra de tecnologia pelas empresas da Rússia.

Além disto, diplomatas, altos funcionários e empresários russos deixarão de ter acesso privilegiado a vistos europeus.

Até agora, no entanto, as sanções não travaram a invasão russa.

Protestos

Milhares de pessoas têm protestado em frente às embaixadas russas em diferentes países. Na Rússia, pelo menos 1.800 manifestantes foram detidos por participarem de protestos contra a guerra.

Comboios sucessivos transportam civis para fora da Ucrânia. Nos trens seguem sobretudo mulheres e crianças, sendo que a maior parte passa noites ao relento para conseguir um lugar.

Milhares de ucranianos procuram segurança nos países vizinhos, particularmente a Polônia e a Romênia.

A Europa está de portas abertas para receber quem foge da guerra. São longas as horas de espera para passar as fronteiras.

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e