Sei Lá…

Estamos vivendo um mundo de incertezas, é pandemia, economia, nada mais será como antes. A única verdade que sabemos é que o planeta está mudando. Gostaria que fosse para melhor. As pessoas ficassem mais humanas e entendessem melhor todo o processo da vida. Mas sabemos que isso é uma utopia e que estamos longe de vivenciar esse momento lúdico e poético. Ficar em casa em isolamento deveria nos dar a sensação de impotência e fragilidade. Alguns com certeza entenderam a mensagem, mas sua maioria não.

Alguns com certeza entenderam a mensagem, mas sua maioria não. Quando a vida voltar ao “normal” teremos um povo mais sofrido e mais incrédulo. Infelizmente. Torço para estar errado. Mas minha experiência de vida me diz que não. Hoje estamos vendo pessoas tentando se beneficiar do sofrimento alheio. Pessoas ganhando em cima de respiradores que seriam para salvar vidas. Onde vamos parar?

Amanhã será um lindo dia. Só se for na música do Guilherme Arantes, que já pedia lá atrás para que acreditássemos no amanhã. Existem pessoas de boa fé que procuram ajudar ao próximo, mas existe o oportunista que tira do próximo. Cada dia nos deparamos com figuras que não deveriam sair nas fotos, mas além de sair ainda ficam com os créditos. O que esperar de alguém que não se esperar nada? Isso mesmo nada. É ais ou menos assim que estamos no meio dessa pandemia. E o pior é que tudo parece que vai bem. Ou não vai. Sei lá. Só sei que o uso da máscara é extremamente importante e que precisamos lavar as mãos com água potável e muito sabão. E os que não podem lavar as mãos porque não tem água em suas casas?

Bem, para os que não têm água em casa, “que vá no vizinho ou no parente e as lave por lá”. Poderia ser uma frase dos governantes quando perguntados. Mas eles mentem. Dizem que está tudo bem e que o estado está no controle. Faz-me rir. Se é que cabe. Outros dizem que precisamos ficar em casa e que se sair o bicho papão vai pegar. Que não podemos sair para nada. Mas não nos dá o peixe e nem nos ensina pescar. O que fazer? Não sei. Seguir a bula, talvez. Só sei que não posso sair. A barriga entende e me apoia. Preciso de uma dieta mesmo. Acho que chegou a hora. Não sei se a essa altura me faço entender, mas também quem se faz? Sei lá. Será que já estou fraco? Talvez seja a falta de ferro ou o que mesmo que nos faz falta para nossa memória? Sei lá.

Um dia pensei que quando eu chegasse na meia idade tudo seria diferente. Só não imagina que fosse desse jeito. Loucura pouca é bobagem. Alguém já disse isso. Tenho quase certeza. Talvez. Não podemos ignorar os sinais. Que sinais? Aqueles mesmos que um dia disseram que seríamos uma potência mundial. Talvez. Mas quando? Tá chovendo muito lá fora e eu em meio ao isolamento aqui escrevendo sem parar sobre algo que nem sei o que é. É pandemia, agora me lembrei. Nossa, mas que loucura. Não podemos sair de casa. Mas alguns estão saindo e será que estão passando o vírus para outras pessoas? Tomara que não. Às vezes acho que isso é um roteiro de um filme de terror e que estamos vivendo a era zumbi. Não seria novidade. Muitos jogos, filmes, teorias da conspiração já contaram o mesmo enredo. E existe até um grupo de pessoas que acredita piamente nisso.

“30 dias de noite”, um clássico do gênero já está ultrapassado. Hoje estou completando 70 dias de quarentena e estou lúcido, acho que sim. Ou não, agora não sei mais. Estou confuso. Acho que estou com falta de alguma vitamina. Será que é a D? Pode ser. Não, acho que não, apesar de eu não pegar sol esse tempo todo. Mas acho que não afetaria minha mente. Deve ser o confinamento, só pode. Imagino os presos em suas solitárias, o que pensam, não quero nem pensar. Quero saber quado vai rolar a próxima live da Ivete. Isso sim é alegria. Pular a noite inteira. Esquecer os problemas e cair na gandaia mesmo que em casa. Nosso Lar hoje é nosso refúgio da alma e espírito. Lugar especial e Abençoado por Deus nesse momento. Nossa salvação. Elevar nosso pensamento ao amor e a fé de que um dia isso vai passar e nos trazer de volta a alegria. Nossas vidas estão em processo de aprendizados. É verdade que alguns não passarão no teste e terão que fazer recuperação. Mas a maioria saberá aproveitar os ensinamentos e começará a mudar o planeta. Estamos juntos nesse processo. Que venham novos dias para a humanidade. E que ela esteja preparada para conduzi-los.

Por

Jornalista e comentarista esportivo. Moro em Niterói há 22 anos. Fã de cultura e esportes. Ex-editor em jornais na cidade do Rio de Janeiro. Atualmente me dedico à interatividade cultural. Acredito na importância da divulgação por todos os meios da cultura nesse país.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e