Sambas para 2018 já estão escolhidos

Print page

Com a final da Beija-Flor, realizada na madrugada desta sexta-feira, todas as escolas de samba do grupo especial e do grupo de acesso já têm os sambas com que desfilarão no próximo Carnaval. A agremiação nilopolitana encerra um período de disputas de samba-enredo que conseguiu mobilizar as comunidades e compositores, com boa presença de público, apesar da crise econômica e do péssimo relacionamento com a prefeitura do Rio de Janeiro.

Os sambas escolhidos pelas 13 escolas do grupo especial ainda não dão uma noção exata da qualidade da safra. É preciso aguardar, pois agora terão início as gravações do CD oficial, começarão os ensaios nas quadras e aí pode ser feita uma análise melhor sobre as obras.

Entretanto, numa rápida e superficial audição podemos identificar que pelo menos quatro sambas demonstram qualidade e se destacam: Beija-Flor, Mocidade Independente, Mangueira e Unidos da Tijuca. Aguardemos para saber se outros também se juntarão a estes.

Festa na Beija-Flor

A noite de escolha de samba-enredo na Beija-Flor foi uma apoteose digna de fechamento deste período. A quadra lotada assistiu a quatro grandes sambas disputando a primazia de cantar o tema “Monstro é aquele que não sabe amar. Os filhos abandonados da pátria que os pariu”. Qualidade acima da média.

Venceu quem desde o início era apontado como favorito. O samba número 4, de autoria de Di Menor, Bacaninha, Diego Oliveira, JJ Santos, Diogo Rosa, Kiraizinho e Júlio Assis. A apresentação final confirmou todos os prognósticos. Os primeiros acordes já contagiaram o público, mesmo para quem não fazia parte da torcida organizada. O refrão foi uma verdadeira explosão de alegria e tomou conta da quadra.

O interessante é que os compositores são jovens crias da Beija-Flor e vencem pela primeira vez na agremiação. Di Menor frequenta desde criança a quadra, assim como Bacaninha, filho de Gilson Bacana, que há muitos anos puxa o samba na avenida junto com Neguinho. Diego é irmão da rainha de bateria Raissa e também desde criança frequenta a Beija-Flor.

Este fato não acontece por coincidência na azul e branca. A Beija-Flor investe muito em renovação e formação de jovens sambistas. Os seus ensaios são frequentados por uma juventude incomum de ser ver em outras quadras, assim como os componentes da bateria, passistas e alas de comunidade.

Por

Jornalista, pesquisador de samba e compositor.

Comentários estão fechados.