RJ prorroga por dez anos sistema de cotas nas universidades do estado

Ao menos 20% das vagas de cada curso devem ser reservadas a negros, indígenas e oriundos de comunidades quilombolas

A Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj) aprovou nesta terça-feira (11) a prorrogação do sistema de cotas nas universidades públicas estaduais por mais dez anos. Agora o texto seguirá para sanção ou veto do governador Luiz Fernando Pezão, que terá 15 dias para decidir. A Lei 5.346/08, que trata do tema, venceria em dezembro.

Com a aprovação do Projeto de Lei 4.205/18, pelo menos 20% das vagas de cada curso universitário devem ser reservadas às pessoas negras, indígenas e oriundas de comunidades quilombolas. Outros 20% serão destinados aos alunos que cursaram integralmente o ensino médio em qualquer escola pública brasileira.

A norma ainda reserva 5% das vagas às pessoas com deficiência e aos filhos de policiais civis e militares, bombeiros militares e inspetores de segurança e administração penitenciária mortos ou incapacitados durante o serviço.

O projeto também prorroga por mais dez anos a bolsa-auxílio, chamada de bolsa permanência, paga pelo governo do estado aos estudantes cotistas. E fixa o valor em, no mínimo, meio salário mínimo. Outra emenda aprovada permite ao estudante cotista acumular a bolsa permanência com a bolsa de iniciação científica.

Ainda segundo o texto, as universidades estaduais devem propor ao Executivo a disponibilização de vagas de estágio aos alunos cotistas nas instituições e empresas públicas.

Foto: divulgação Alerj

Por

Webjornal O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.