Réveillon é uma festa. Nunca para os animais

A festa é nossa, mas quem paga o pato são nossos pets

“Cadela morre abraçada ao dono durante queima de fogos de artifício”
“Mulher relata morte de cachorro após queima de fogos de artifício”
“Fogos de artifício podem causar convulsões e desmaios nos pets”
“Humanos passam por teste que reproduz sofrimento causado por fogos de artifício em animais”

Manchetes nos jornais, na internet e em cases jurídicos mostram ao mundo o que já sabemos. Os animais sofrem demais nessa época em que nós só queremos que o ano novo venha a traga felicidade. Para nós, porque para eles a felicidade fica no escanteio até que as festas acabem. Ufa.

É difícil que todos se preocupem com isso, mas o animal pode sim perder parte da audição. Há também casos de dor de cabeça e irritabilidade, quando expostos ao som excessivo. Os sinais são fáceis de serem percebidos nos bichos. O animal fica arfando, correndo de um lado ao outro. Ou seja, porque soltam rojões, seu pet pode ficar com sequelas físicas e mentais.

Os animais escutam até três vezes mais forte do que nós. Agora que sabe disso, voltaria a usar esse artifício de felicidade?

Por exemplo, se um rojão explode muito próximo ao cão (pode ser qualquer animal, doméstico ou não), pode ocorrer dano físico ao tímpano, comprometendo a audição. Instala-se, então, um quadro de fobia que pode, inclusive, resultar em crises de ansiedade, tremores, taquicardia choro, latir excessivamente e até mesmo morre em casos extremos.

Todo ano é a mesma coisa: animais sofrem ataques cardíacos quando as festas chegam.

Diante de tanto stress e reclamações, justas por sinal, vereadores de algumas cidades fizeram, publicaram, sancionaram leis sobre o assunto, mas muito pouco foi efetivamente resolvido. E vem mais um ano novo, eleições chegam, todos se comovem. E depois?

Nesses dias em que comemoramos tudo o que aconteceu durante o ano, aguardando um ano melhor, mais feliz ou, quem sabe, que as coisas se perpetuem na felicidade já adquirida, que tal também fazer com que todos parem com essas insanidades medievais de mostrar alegria com barulho?

Que façamos de 2020 um marco contra essa covardia, além de outras tantas, já tão enraizadas na nossa “cultura imbecilizada da dor pela diversão”.

Feliz Ano Novo a todos.

Por

paula.toom@oestadorj.com.br

Jornalista, tradutora, revisora e redatora. Tem 3 cachorros, 3 gatos fixos e mais um monte ao seu redor. Cuida para que eles não sejam abandonados pelas sarjetas. É editora-chefe das colunas que você lê aqui.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e