Que a Muralha segure o vírus

O ano mal começou e já vivemos o pânico de uma nova epidemia vinda da China. E eu que pensava que a China só exportava pastéis e produtos de 1,99. Esse tal Coronavírus realmente pode se tornar uma ameaça assim como tempos atrás foi a gripe suína, dengue, chikungunya, entre outras mazelas.

E como podemos nos preparar para que o pior não aconteça? Eu sinceramente não sei. E duvido que alguém saiba. A verdade é que estamos vivendo tempos difíceis e provadores. Muita gente ainda não se deu conta disso. Tanta coisa ruim acontecendo e os homens ainda tentando descobrir quem tem aquilo mais roxo que o outro. Doenças já radicadas voltando em grande escala, catástrofes e crises que pensávamos ter acabado, sempre a nos rondar. Muito complicado esse início de 3º milênio.

Temos que repensar tudo que estamos fazendo com as nossas vidas e com a terra. Me lembro que quando eu era pequeno ouvia minha mãe dizer que tínhamos que cuidar bem do nosso planeta porque senão um dia ele podia “morrer”. E não é que era verdade? Hoje percebemos o mal que nós fazemos ao nosso planeta. E não vejo como mudarmos esse quadro em pouco tempo. Triste para nossos filhos e netos que herdarão um mundo doente e cheio de problemas que nem Einstein resolveria.

A ciência e a tecnologia andam a passos largos e invenções fantásticas nos ajudam diariamente em nossas vidas. Só que tudo isso tem um preço e não é barato. Estamos acabando aos poucos com a natureza. E por falar nela, lembro-me de minha juventude, eu adorava viajar e fotografar tudo (na época não tinha celular para filmar) que via na paisagem. Era algo que mexia com meus sentimentos. O ar puro, as árvores e a natureza de um modo geral sempre foram para mim uma espécie de templo sagrado. O mar me traz paz e reorganiza meus pensamentos os colocado em ordem.

Sempre que estou precisando de uma luz ou um caminho, vou até a praia e lá fico por algum tempo e me regozijo de forma plena e volto com a energia renovada. Muito bom para quem precisa de uma base para se energizar.
Hoje vivemos num mundo capaz de nos dar o que mais precisamos, mas em contrapartida, o deixamos mais doente. Temos que procurar um meio termo, uma forma de usufruir e buscar o que há de melhor sem com isso machucar o planeta. Lembre-se: O que deixaremos para as novas gerações se continuarmos pensando apenas no hoje, no agora? É para pensarmos de verdade.

Hoje não tinha a intenção de escrever sobre isso, mas passei o dia inteiro ouvindo esse tema por onde andei, logo quando comecei a escrever, ouvi num telejornal justamente o assunto e pensei: não tem jeito, parece que preciso desabafar e falar sobre o que penso a respeito. Acho que fui até complacente em determinado momento aqui, mas acredito de verdade que precisamos mudar o que está sendo feito.

Hoje entendo os defensores da terra como defensores da vida. Precisamos ter a consciência de que o mundo só existirá se nós fizermos alguma coisa e tem que ser para ontem.
Quanto ao Coronavírus, bem, a princípio está isolado na China e espero que continue por lá. E, claro, que se consiga neutralizar o vírus e incapacite-o de ultrapassar a Grande Muralha.

Por

Jornalista e comentarista esportivo. Moro em Niterói há 22 anos. Fã de cultura e esportes. Ex-editor em jornais na cidade do Rio de Janeiro. Atualmente me dedico à interatividade cultural. Acredito na importância da divulgação por todos os meios da cultura nesse país.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e