Quatro assessores deixam cargos e Johnson busca revigorar governo

O premiê enfrenta crise crescente, em meio a críticas por uma série de festas realizadas em seu escritório e residência em Downing Street, durante lockdown para conter epidemia de covid-19

Quatro dos assessores mais próximos do primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, pediram demissão nessa quinta-feira (3), em um dia turbulento para o governo. Johnson tenta se revigorar diante de escândalos que colocaram seu cargo em risco.

O premiê enfrenta crise crescente, em meio a críticas por uma série de festas realizadas em seu escritório e residência em Downing Street, durante lockdown para conter epidemia de covid-19. 

Parlamentares do Partido Conservador, de Johnson, estão irritados. Alguns  já pediram sua renúncia e exigiram uma revisão da atuação em Downing Street para que permaneça no poder.

Ontem, três de seus principais assessores – o chefe de gabinete, Dan Rosenfield, o principal secretário particular, Martin Reynolds, e o diretor de Comunicações, Jack Doyle – pediram demissão. Parlamentares conservadores disseram parecer o início de uma reforma um tanto desorganizada no governo Johnson.

Outra causa do pedido de demissão foi farpa que Johnson proferiu ao líder do principal partido de oposição, o Partido Trabalhista, pela qual também recebeu críticas de seu ministro das Finanças. 

Johnson prometeu mudar o estilo de governo, depois que um relatório da funcionária pública Sue Gray sobre reuniões realizadas em Downing Street apontou “graves falhas de liderança”.

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e