PT defende revogar reforma trabalhista e teto de gastos em prévia de diretrizes de governo

O PT sugere substituí-la por um modelo de negociação tripartite, com participação de empresários, empregadores e representantes do governo

Em documento encaminhado nesta segunda-feira (6) a partidos aliados, a coordenação da pré-campanha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e de Geraldo Alckmin (PSB) apresentou diretrizes preliminares para a elaboração de um futuro programa de governo.

O esboço do programa de governo apresenta 90 diretrizes econômicas e sociais. Entre elas, a defesa da revogação da reforma trabalhista, aprovada durante o governo do então presidente Michel Temer.

O PT sugere substituí-la por um modelo de negociação tripartite, com participação de empresários, empregadores e representantes do governo.

A sugestão dos petistas é para que, segundo eles, se “recomponha direitos, fortaleça os sindicatos sem a volta do imposto sindical, construa um novo sistema de negociação coletiva e dê especial atenção aos trabalhadores informais e de aplicativos”.

Ao citar a reforma tributária, petistas defendem taxar renda sobre pessoas muito ricas a partir da criação de uma “reforma tributaria solidária”.

Em outro ponto, o documento defende a revogação do teto de gastos. A justificativa do PT é de que, dessa forma, será possível incluir novamente pobres e trabalhadores no orçamento.

“Para isso, é preciso revogar o teto de gastos e rever o atual regime fiscal brasileiro, que é disfuncional e perdeu totalmente sua credibilidade”, diz o documento.

As privatizações almejadas pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PL) também são alvo de críticas. Em meio a um processo de desestatização, a Eletrobras, segundo o documento, tem que ser preservada como “patrimônio do povo” para viabilizar programas sociais como o Luz para Todos, criado durante primeiro mandato de Lula, em 2003.

A Petrobras também é citada, com destaque também para a Pré-Sal Petróleo S.A – PPSA.

“A Petrobras será colocada de novo a serviço do povo brasileiro e não dos grandes acionistas estrangeiros, ampliando nossa capacidade de produzir os derivados de petróleo necessários para o povo brasileiro, expandindo a oferta de gás natural e a integração com a petroquímica, fertilizantes e biocombustíveis”, diz o PT.

O partido reforça ainda ser contrário à privatização dos Correios e sugere a valorização de bancos públicos, a exemplo do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e BNDES.

A versão prévia do documento elaborado pela campanha de Lula ainda será remetida à análise dos partidos que compõe a frente de esquerda “Vamos Juntos pelo Brasil” e têm até quinta-feira (9) para apresentar alterações ou sugerir exclusão e inclusão de novas propostas ao documento. CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e