Pra tudo começar na quarta-feira

Em um ano atípico com dois carnavais, os versos famosos do poeta "Pra tudo se acabar na quarta-feira " perderam a validade em 2022

Em condições normais, esta semana estaríamos de ressaca carnavalesca, entrando na quaresma, conforme manda a tradição cristã. A quarta-feira de cinzas, que sempre marca o início deste período de recesso, este ano, pelo contrário, traz a ansiedade da reta final de um ciclo carnavalesco que teima em não acabar.

Desde que a pandemia surgiu, em 2020, já se vão dois anos deste atual ciclo. Com o cancelamento da folia em 2021 e o adiamento oficial dos desfiles das escolas de samba de fevereiro para abril de 2022, ficou claro para o observador mais atento que teríamos um carnaval em dose dupla.

Embora tenham cancelado os festejos oficiais, vários governos estaduais e municipais mantiveram o feriado e o ponto facultativo. Bancos e mercado financeiro também não funcionaram nos quatro dias que marcavam o carnaval de fevereiro. Foi o suficiente para, pelo menos no Rio de Janeiro, o clima de carnaval invadir a cidade. Blocos de rua estavam proibidos, mas dezenas deles saíram e arrastaram multidões todos os dias.

Na Cidade do Samba, as escolas organizaram shows e mini desfiles no sábado e no domingo, com lotação esgotada e imenso sucesso. Nos bares, boates e casas de shows a trilha sonora era samba enredo e marchinhas, com a presença de público fantasiado.

Vários bailes aconteceram em clubes e quadras das escolas de samba, espalhados por vários bairros. Da zona norte a zona sul  o clima era carnavalesco. Inclusive com a saída das famosas turmas de bate bolas, uma tradição do subúrbio, da zona Oeste e da baixada fluminense. Parecia que todos queriam viver um momento de alegria, depois de dois anos em que vivemos assombrados pelo medo.

Como normalmente acontece nesses períodos, as praias lotadas, inclusive na Região dos Lagos e na Costa Verde, também sinalizavam que os dias eram de festa. Entretanto, para o mundo do samba, a chegada da quarta-feira de cinzas não marcou o encerramento do Carnaval. Com os desfiles adiados para o final de abril, as escolas de samba entram na reta final de preparação do evento.

Para as agremiações, é como se estivessem começando agora janeiro. Os ensaios de rua e as quadras vão continuar cada vez mais cheios. A prefeitura sinalizou que haverá ensaios técnicos na Marquês de Sapucaí, que devem acontecer a partir de março.

Enfim, depois de dois anos sem folia, 2022 marca a realização de dois carnavais. O risco disso tudo é o povo gostar da experiência e querer repetir a dose no próximo ano.

Por

amilton.cordeiro@oestadorj.com.br

Jornalista, pesquisador de samba e compositor.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e