PIB da China cresce 18,3% no 1º trimestre e bate recorde para o período

O grande salto reflete a profunda queda na atividade no início de 2020, mas mantém a China no caminho para um crescimento entre 8% e 9% em 2021

A China acaba de registrar seu crescimento trimestral mais forte, à medida que a segunda maior economia do mundo continua sua recuperação robusta da pandemia de coronavírus.

O crescimento do PIB de 18,3% no primeiro trimestre na comparação com o mesmo período do ano anterior foi o mais forte desde que a China começou a manter registros em 1992, e foi impulsionado por um aumento nas vendas no varejo, produção industrial e investimento em ativos fixos.

O grande salto reflete a profunda queda na atividade no início de 2020, mas mantém a China no caminho para um crescimento entre 8% e 9% em 2021, disseram economistas, muito à frente da meta oficial do governo chinês de mais de 6%.

“Estamos totalmente confiantes de que podemos manter o ritmo de recuperação atual ao longo do ano”, disse Liu Aihua, porta-voz do Escritório Nacional de Estatísticas, em uma entrevista coletiva em Pequim na sexta-feira.

As vendas no varejo do primeiro trimestre aumentaram 34% em relação ao ano anterior, enquanto o investimento em ativos fixos em áreas urbanas aumentou quase 26%. A produção industrial aumentou mais de 24%.

“O crescimento permanece muito forte neste estágio, já que os perdedores da Covid, como consumo [despesas de capital], estão se recuperando”, disse Larry Hu, economista-chefe para a China do Macquarie Group, em um relatório de pesquisa na sexta-feira.

As vendas no varejo, que sofreram um grande golpe no ano passado por causa do bloqueio, melhoraram porque Pequim diminuiu as restrições a viagens após o feriado do Ano Novo Lunar em fevereiro, acrescentou. Os investimentos em manufatura e infraestrutura também aceleraram.

O comércio também deu um forte impulso. As estatísticas alfandegárias divulgadas no início desta semana mostraram que as importações aumentaram mais de 38% no mês passado em termos de dólares americanos em comparação com o ano anterior, um sinal de que a demanda na China está aumentando. As exportações cresceram quase 31%.

Hu disse que a força das importações é ampla, indicando uma “recuperação do consumo”. E Pequim deve facilmente atingir sua meta de crescimento de mais de 6% para 2021. “O crescimento poderia facilmente ir para 8-9% com a base baixa”, acrescentou Hu.

Os analistas da Nomura previram na sexta-feira que o PIB da China cresceria 8,9% em 2021.

No mês passado, o primeiro-ministro Li Keqiang disse que o governo havia estabelecido a meta de crescimento deste ano em “acima de 6%”. Isso é mais do que suficiente para cumprir a meta de longo prazo do presidente Xi Jinping para a economia, embora ainda menos agressiva do que alguns observadores disseram que gostariam de ver. Alguns analistas disseram que a meta cautelosa indica que o governo está levando em consideração o risco de a Covid-19 retornar.

No início deste mês, o Fundo Monetário Internacional elevou sua estimativa de crescimento para a China para 8,4% neste ano, dizendo que “medidas eficazes de contenção, uma resposta vigorosa ao investimento público e suporte de liquidez do banco central” facilitaram a recuperação do país.

Recuperação em ‘nivelamento’

Mas alguns analistas dizem que as perspectivas para o resto deste ano são menos certas.

Chaoping Zhu, estrategista de mercado global do JP Morgan Asset Management, disse que o crescimento trimestre a trimestre é um melhor indicador da força atual da economia chinesa.

O PIB cresceu apenas 0,6% em comparação com o último trimestre de 2020. Esse é o ritmo mais lento desde que a China começou a se recuperar da pandemia. No primeiro trimestre do ano passado, a economia encolheu um recorde de 9,7% em relação ao trimestre anterior, antes de se recuperar com a redução das restrições do governo. Do segundo ao quarto trimestres de 2020, a economia cresceu 11,6%, 3% e 2,6%, respectivamente, em relação ao trimestre anterior.

“Isso mostra que a economia chinesa já se normalizou”, escreveu Zhu em nota na sexta-feira.

Julian Evans-Pritchard, economista sênior da Capital Economics para a China, também apontou que o aumento de 18,3% é amplamente distorcido pelos efeitos de base baixos.

“Isso nos diz pouco sobre o momento atual da economia, no entanto, uma vez que reflete uma base muito mais fraca para comparação com a crise da Covid-19 do ano passado”, disse ele. “Com a economia já acima de sua tendência anterior ao vírus e o apoio político sendo retirado, a recuperação da China pós-Covid está se estabilizando.”

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e