O samba não pode parar

Em anos passados, em condições normais, o mundo do samba estaria agora, no mês de maio, retornando suas atividades

Entretanto, com o adiamento dos desfiles para o final de abril, não houve aquele período de recesso e férias, que normalmente acontece entre a quarta-feira de cinzas e a Páscoa. Consequência disso é que tão logo terminou o carnaval fora de época, finalizando o longo ciclo de 2020, as escolas de samba iniciam um novo, visando o ano de 2023.

A maioria das pessoas não tem conhecimento sobre os bastidores e a complexidade que envolve todo o período entre um carnaval e outro. Os trabalhos são retomados, normalmente, em maio. Nos barracões, as agremiações iniciam o desmonte de carros alegóricos. Os componentes de alas de comunidade fazem a devolução das fantasias.

As equipes selecionam materiais que podem ser reaproveitados e o que será descartado. Sendo que o descartado, muitas vezes é doado para ser reciclado por escolas de samba de grupos inferiores. É comum agremiações menores fazerem fila nos barracões da Cidade do Samba em busca desse material, que reciclado se transforma num novo desfile do ano seguinte. Assim, uma escultura de um índio, por exemplo, pode virar um orixá, ou a figura de um rei se transformar na de um trabalhador.

Logo após toda a desmontagem, os carros são desnudados, sobrando apenas esqueleto de ferro sobre um chassi. Então, estão prontos para receberem o visual seguinte. Enquanto isso, os carnavalescos preparam a sinopse do enredo, desenham figurinos de fantasias e preparam protótipos de novas alegorias. Quando agosto chega, é hora dos compositores colocarem suas canetas para funcionar.

Começam as disputas de samba e a busca pela glória de ver suas letras e melodias serem cantadas por milhares de pessoas na avenida. É quando as quadras esquentam a bateria. Ressoam surdos, caixas, chocalhos,, cuicas e tamborins. Os componentes recomeçam a tomar o clima de folia.

Lógico, que entre uma coisa e outra tem as atividades que também fazem parte de uma escola de samba. Rodas de samba, feijoadas, eventos da velha guarda, shows, reuniões, oficinas de percussão etc.
Enfim, para muita gente  o carnaval não para e funciona o ano inteiro. Em 2022, literalmente, inclusive sem férias ou pausa para descanso.

Por

amilton.cordeiro@oestadorj.com.br

Jornalista, pesquisador de samba e compositor.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e