O Natal vem chegando. Salvem seus bichos

Eles estão ali, na rua, nas calçadas, debaixo dos papelões, na padaria do bairro, na esquina. Olhem à sua volta!

Soube que o Papai Noel não atende pedidos de bichinhos de verdade no Natal. Quem me alertou hoje, em cima da hora, foi o Rudolph, a rena do nariz vermelho, Relações Públicas oficial do Papai Noel. Ele me avisou que não atende esses pedidos, porque não podemos achar que eles são apenas diversão, sem nenhuma responsabilidade. E que ele não tem uma arca, igual à do Noé. No trenó dele cabe mal e mal meia dúzia de renas, que ainda têm que trabalhar muito, se quiserem ter o 13º a tempo.

E o que dizer de mascotes excêntricas, como serpentes, jacarés, lhamas e galinhas peludinhas dentro de casa? São lindos, mas não são pra qualquer um. A responsabilidade é muito grande e temos que amá-lo para todo o sempre, amém.

Já criei uma polêmica imensa, numa época remota em que a internet começava a aparecer, junto com os fóruns. Tudo isso por causa dessa mania de achar que cobra é um animalzinho fofo e que pode ser cuidado como um pet normal. Nada contra, mas cada um no seu quadrado, ilha, toca. E cobra, serpente, víbora, aranha, não são lá animais dóceis e de companhia. É o que acho.

Sim, eles podem ser muito lindos, engraçadinhos ou perigosos, mas precisam de muito cuidado e por muito tempo da vida de vocês. Não cuidamos de uma coisa fofinha até que cresça e perca a graça, porque a graça é tê-lo até o fim. E o que se faz depois, joga fora, na rua? Papai Noel e suas renas não admitem isso.

Coisas para se pensar antes de pedir um bichinho ao Papai Noel:

1- Se ele vai vai estar seguro e feliz;
2- Se vai ter espaço próprio e comida determinada à raça dele;
3- Se vai ter tranquilidade em péssimos momentos, como hora de fogos de artifício, tão imbecis quando só assustam (um cachorro escuta, no mínimo 3 vezes mais alto que nós humanos), além de serem proibidos;
4- Se vai ter toda a dignidade e respeito do mundo;
5- Se não vai ser abandonado ao primeiro sinal de cansaço (de cuidar, de passear, de amar, etc.);
6- Se a família toda concorda com sua permanência na casa;
7- E, se não vai fazer criação de raças paralelas, castre-o, não é pecado, ele não sofre, não marca território e fica muito mais sociável e calmo. E não espalha mais descendentes pelas ruas.

Isto posto, pode mandar a carta ao Papai Noel, Rudolph vai separar as melhores e colocar uma carta de boas intenções na sua árvore. Mas não vai jogar ninguém pela chaminé. Nunca. E a sua consciência vai brilhar mais que o nariz vermelho da mascotinha do velhusquinho Noel.

Por

paula.toom@oestadorj.com.br

Jornalista, tradutora, revisora e redatora. Tem 3 cachorros, 3 gatos fixos e mais um monte ao seu redor. Cuida para que eles não sejam abandonados pelas sarjetas. É editora-chefe das colunas que você lê aqui.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e