O espelho que reflete a falsa perfeição

Festas e muitas selfies recheadas de sorrisos dão a sensação de que a vida dos outros é composta apenas de alegrias

A tecnologia trouxe muitas oportunidades de comunicação de forma que jamais se sonhou. A comunicação com alguém que está do outro lado do mundo ser instantânea, não era algo pensado quando eu tinha os meus 12 anos. As crianças de hoje, aos sete, já ostentam a profissão de influenciadores digitais. E as que restam, maiores ou menores, já possuem o grande sonho de um dia se tornarem.

Quando eu ainda frequentava a faculdade de jornalismo, por vezes na companhia dos colegas publicitários, participava de aulas compartilhadas e contemplavam uma parcela de como fazer uma boa publicidade, e como chamar atenção por meio dela. Quando a publicidade envolvia pessoas, como revistas de moda e beleza, sempre estava em voga a quantidade de photoshop utilizado na produção e o quanto as pessoas se espelhavam nas belas mulheres e homens expostos ali. O ideal de beleza perseguido na ocasião era o das pessoas que figuravam o seleto grupo das capas de revistas.

Hoje, 11 anos após concluir a faculdade, o cenário das capas de revistas não são tão atrativos, muitos nem conhecem as revistas, porque algumas não estão mais em circulação. Mas temos em nosso meio um espelho que reflete a falsa perfeição distanciando ainda mais a realidade do idealizado: as redes sociais. Repletas de fotos alegres, e por vezes cheias de filtros que modificam e geram fotos perfeitas, postadas por pessoas comuns, influenciadores ou celebridades.

Claro que as redes sociais não devem se tornar um muro de lamentações. Seria pouco atrativo se ali todos postassem somente as decepções e tristezas. Com certeza elas não teriam angariado tantos adeptos. No entanto, um levantamento de 2019, que avalia as perspectivas dos brasileiros em relação a tecnologia, realizado pela Fundação Getúlio Vargas, apontou que 41 % dos jovens brasileiros consideram que as redes sociais causam sintomas como depressão, ansiedade ou tristeza. Em 2017, uma pesquisa realizada pela Royal Society for Public Health, instituição de saúde pública do Reino Unido, indicou que as redes, se não usadas corretamente, os danos podem afetar a saúde mental. O estudo revelou que nos últimos 25 anos, houve 70% de aumento nas taxas de ansiedade e depressão entre jovens de 14 a 24 anos.

Quando se olha de maneira geral, a sensação é de que nas redes sociais a vida é tão perfeita quanto aquelas fotos cheias de filtros. Mas, a realidade é bem distinta da que está postada. Ninguém está isento de problemas, porém problemas não estão postados e não os vemos ao abrir a rede social de alguém. Ainda que timidamente, acredito que a pandemia trouxe um pouco mais de realidade às redes. As pessoas têm dado menos atenção à busca incessante pela perfeição, ou estão descobrindo que a perfeição não existe. Tal qual uma história contada que é verossímil e não a real.

Por

* Jornalista e especialista em Gestão Cultural. Amante da cultura e das artes.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e