O 1º inseto considerado alimento para a UE é larva encontrada em farinha

Rico em proteína, gordura e fibra, eles provavelmente serão os primeiros de muitos insetos a aparecer nas placas europeias nos próximos anos

As larvas da farinha podem em breve entrar nas tigelas de macarrão e nos pratos de jantar da Europa, depois de se tornar o primeiro inseto aprovado na região como alimento humano.

A decisão de quarta-feira da Agência Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) abre caminho para que as larvas amarelas sejam usadas inteiras e secas em curry e outras receitas e como farinha para fazer biscoitos, massas e pão.

Apesar do nome, larvas de farinha são larvas de besouro, e não vermes, e já são usadas na Europa como ingrediente de ração para animais de estimação. Rico em proteína, gordura e fibra, eles provavelmente serão os primeiros de muitos insetos a aparecer nas placas europeias nos próximos anos, disse o químico e cientista alimentar da EFSA, Ermolaos Ververis, à Reuters.

Sob sua supervisão, larvas de farinha foram os primeiros insetos que a agência da UE avaliou sob um regulamento de “alimento novo” que entrou em vigor em 2018, desencadeando uma enxurrada de aplicações semelhantes.

“Há um grande interesse da comunidade científica e também da indústria de alimentos no setor de insetos comestíveis”, afirmou.

Pessoas em grande parte do mundo – incluindo partes da África, Austrália e Nova Zelândia – já gostam de comer barras de insetos, hambúrgueres de grilo  e outros alimentos à base de comida.

Assim que a Comissão Europeia ratificar o endosso do ESFA, a Europa irá juntar-se a eles.

Alguns sociólogos, no entanto, acreditam que as barreiras psicológicas particularmente fortes na Europa significam que levará algum tempo até que os vermes amarelos comecem a voar das prateleiras dos supermercados europeus.

“Existem razões cognitivas derivadas de nossas experiências sociais e culturais – o chamado ‘fator eca’ – que tornam a idéia de comer insetos repelente para muitos europeus”, disse Giovanni Sogari, pesquisador social e de consumo da Universidade de Parma em Itália. “Com o tempo e a exposição, essas atitudes podem mudar.”

A EFSA disse que recebeu 156 pedidos de avaliações de segurança de “novos alimentos” desde 2018, cobrindo tudo, desde alimentos derivados de algas a uma variedade de espécies de insetos. CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e