Morte de congolês é um dos assuntos mais comentados do Twitter

Moïse Mugenyi Kabagambe, de 24 anos, morreu após ser agredido por homens em um quiosque na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, onde trabalhava

Mais de 38 mil tweets com a hashtag “#JustiçaparaMoise” foram publicados até a noite de hoje (1). Com manifestações de artistas, autoridades e jogadores de futebol, a morte do congolês ficou entre os assuntos mais comentados do Twitter.

Moïse Mugenyi Kabagambe, de 24 anos, morreu após ser agredido por homens em um quiosque na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio de Janeiro, onde trabalhava.

O rapaz era torcedor do Flamengo. Nas redes sociais, o clube lamentou o ocorrido e prestou solidariedade aos familiares. O atacante do clube, Gabigol, também se pronunciou sobre o caso.

“Esse não é o Rio que aprendi a amar e que me recebeu de braços abertos!!! Queremos justiça, não podemos normalizar crimes como esse!! Que seja feita justiça a Moïse Mugenyi e toda sua família!! Estamos juntos de vocês!!! #JusticaPorMoiseMugenyi”, escreveu o jogador.

O cantor Caetano Veloso foi um dos artistas que prestaram suas condolências à família e demonstrou tristeza pelo ocorrido.

“Chorei hoje lendo sobre o assassinato de Moïse Mujenyi Kabagambe num quiosque na Barra da Tijuca.”, disse Veloso.

A cantora Ludmilla afirmou que o ocorrido com Moïse foi um caso de racismo.

“Mais uma vez a carne mais barata do mercado é a carne negra”, escreveu.

Outras personalidades como a jogadora de vôlei Fernanda Garay, a cantora Teresa Cristina e o baterista da banda Paralamas do Sucesso, João Barone, também expressaram sua indignação nas redes pela morte do congolês.

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e