Moradores de Nova York relatam insegurança diante de aumento da violência na cidade

Escolher uma roupa com base na probabilidade de ser baleado parece um pesadelo distópico, mas é a realidade para muitos nova-iorquinos que se sentem impotentes e com medo em meio a uma onda de crimes crescente

É um dia sufocante de primavera na cidade de Nova York, mas Dana Aber está na plataforma do metrô da Times Square-42 Street com uma jaqueta de couro pesada. Suas mãos estão com luvas e enfiadas nos bolsos para esconder suas joias. Embora ela tente parecer relaxada, seus sentidos estão em alerta máximo.

“Achei que talvez fosse uma proteção um pouco melhor do que um casaco fino, caso eu levasse um tiro”, disse Aber, atriz de teatro e escritora de Manhattan.

Escolher uma roupa com base na probabilidade de ser baleado parece um pesadelo distópico, mas é a realidade para muitos nova-iorquinos que se sentem impotentes e com medo em meio a uma onda de crimes crescente. Um tiroteio em massa em uma estação de metrô do Brooklyn em abril ressaltou seus temores.

Até o momento, a cidade registrou um aumento de 42,7% nos crimes graves em comparação com o mesmo período de 2021, segundo o Departamento de Polícia de Nova York. Isso inclui um aumento de 46,7% nos roubos, um aumento de 54% nos incidentes de furto e um salto de 14,9% nas denúncias de estupro. As taxas de homicídio diminuíram 13,1% em relação ao ano passado, mas ainda aumentaram 9,2% nos últimos dois anos.

Para nova-iorquinos como Aber, o medo de acabar com mais uma estatística de crime lançou uma sombra sobre sua cidade.

“Está se tornando cada vez mais um problema mental para nós, constantemente nos preocupando em estar seguros”, disse Pilar Weston, uma moradora do Harlem de 53 anos.

“O que vai acontecer comigo se eu pegar o trem? Ou se eu andar na rua errada? Ou quando eu der uma volta na minha bicicleta?”

“É uma maneira horrível de viver”, disse ela.

O Harlem é o lar de Weston há décadas, mas está começando a parecer muito menos seguro, diz ela. Ela evita pegar o trem quando pode. Weston escolhe seu caminho para casa com cuidado. Ela evita certas ruas em horários diferentes e está “sempre, sempre” pronta para correr.

“Os nova-iorquinos merecem algo melhor”

Após três décadas de baixas históricas, as taxas de criminalidade na cidade de Nova York começaram a aumentar em 2020.

Autoridades atribuem o aumento a uma combinação de fatores, incluindo mudanças no sistema de justiça – como a nova legislação de reforma da fiança de Nova York – e uma enxurrada de armas traficadas ilegalmente, que grupos de defesa de armas e criminologistas dizem ter sido alimentada pela incerteza da pandemia de coronavírus.

As dificuldades econômicas e sociais provocadas pela pandemia tiveram um papel no aumento da criminalidade, com o número de pessoas em situação de rua desde o início da pandemia aumentando “substancialmente”, segundo o prefeito Eric Adams.

Em janeiro, Adams anunciou um plano abrangente para combater a onda de crimes. As medidas incluem um aumento de policiais em patrulha, recursos adicionais para a unidade de apreensão de armas existente na cidade, nova tecnologia para impedir o fluxo de armas e criação de empregos para moradores em risco. Ele também reviveu uma controversa unidade à paisana na força policial renomeada como “Equipes de Segurança do Bairro”.

O comissário de polícia Keechant L. Sewell atestou o plano, dizendo que a polícia de Nova York está comprometida em enfrentar o crime de frente.

“Os homens e mulheres do Departamento de Polícia da cidade de Nova York estão abordando proativamente as causas profundas do comportamento criminoso”, disse Sewell em comunicado na época.

“O NYPD (Departamento de Polícia de Nova York) nunca vai ceder, e o departamento fez muito progresso ao longo das décadas – e investiu demais nas comunidades que atende – para recuar por qualquer medida. Os nova-iorquinos merecem melhor.”

O plano não poderia vir em breve, de acordo com Margaux Paras. Como muitos americanos asiáticos na cidade, ela vive com a preocupação adicional de crimes de ódio.

“Vivo com medo e ansiedade constantes de que serei o próximo alvo de alguém”, disse Paras, de 35 anos. “Estou sempre à beira de um ataque de pânico quando estou nos trens ou mesmo caminhando durante o dia. Não é seguro para nós.”

Os crimes de ódio na cidade de Nova York aumentaram 76% até agora neste ano em comparação com o mesmo período do ano passado, de acordo com dados da Força-Tarefa de Crimes de Ódio do NYPD.

Os americanos asiáticos foram especialmente visados, geralmente devido à culpa equivocada pela pandemia.

Paras mora em Nova Jersey, mas viaja para Nova York para estudar. Ela não tem escolha a não ser continuar sua rotina habitual, mas o estresse é esmagador, diz ela. Sentada em um banco no Bryant Park, Paras contou histórias de terror que ouviu de familiares e amigos, incluindo uma que, segundo ela, levou um soco aleatório no peito enquanto caminhava por um parque.

Patrick Curley, de 70 anos, é um nova-iorquino de longa data que vive no Lower East Side. Ele também acolhe o plano do prefeito e diz estar confiante de que o NYPD restaurará a segurança pública.

“Confio em nossos policiais para nos manter seguros”, disse Curley.

Curley, que viveu o auge do crime na cidade na década de 1980, apontou para as paredes da estação de metrô da Times Square-42 Street, observando como elas já foram cobertas de grafite e a plataforma destruída.

“Isso não é nada como os anos 70 ou 80”, disse ele.

“Os níveis de criminalidade aqui caem e voltam a subir, mas ainda não há comparação. Para alguém novo em Nova York, parece que as coisas estão indo ladeira abaixo, mas Nova York sempre volta.”

A cidade viu 1.814 assassinatos em 1980, ano que o New York Times chamou de “pior ano de crime na história da cidade”. Essa avaliação foi eclipsada no auge da epidemia de crack em 1990, quando o Times informou que a cidade de Nova York havia registrado 2.245 homicídios.

“Mais policiamento não é a resposta”

Outros nova-iorquinos, como Rasheed Blain, se preocupam com o aumento da criminalidade, mas colocam em dúvida o plano do prefeito. Ele diz que o foco no aumento do policiamento é equivocado e pode sair pela culatra.

Como um interruptor de violência para o programa de prevenção ao crime da cidade, Blain, de 23 anos, caminha pelo Harlem conversando com jovens em risco para diminuir conflitos e inspirá-los a encontrar outros caminhos além do crime.

Ele diz que sua experiência lhe mostrou que existem formas mais eficazes de combater o crime do que o policiamento.

“Mais policiamento não é a resposta”, disse Blain, que mora no Bronx.

“A polícia de nossas comunidades não se comunica bem com as pessoas e vice-versa. Há uma questão de confiança acontecendo e sentimos que não estamos seguros perto deles.”

Ele teme que mais policiamento possa alienar e até ter um efeito adverso sobre as comunidades de cor.

“A violência se comporta como uma epidemia de doença contagiosa”, disse Blain.

“Se queremos corrigir o aumento da violência, temos que começar com a pobreza, a raiz de toda violência, e corrigir a falta de recursos para a juventude, assim como a saúde mental.”

Carmen Perez-Jordan, CEO da organização sem fins lucrativos The Gathering for Justice (O Encontro pela Justiça, em tradução livre) concorda. A missão da organização é “eliminar as desigualdades raciais que permeiam o sistema de justiça”, segundo seu site.

Tendo morado na cidade por 12 anos, Perez-Jordan, de 45 anos, diz estar familiarizada com o que o policiamento excessivo de bairros negros e latinos pode fazer. Ela está particularmente preocupada com a reintrodução de policiais à paisana, que no passado foram acusados ​​de violar os direitos das minorias com táticas controversas, como buscas rápidas.

Essas buscas, nas quais a polícia parava e revistava pessoas que consideravam suspeitas, visavam desproporcionalmente homens negros e latinos.

“Quando o crime violento aumenta, geralmente são nossas comunidades negras e pardas de baixa renda que mais sofrem, e eu esperaria que o que está acontecendo agora siga essa tendência”, disse Perez-Jordan.

Ela acredita que o plano do prefeito faz pouco para abordar os fatores subjacentes que contribuíram para o aumento da criminalidade.

“O que vejo não é apenas crime, é uma bandeira vermelha gigantesca de que algo mais profundo está acontecendo nessas comunidades e na vida dessas pessoas”, disse ela.

“Nós realmente precisamos nos perguntar, o que leva alguém a roubar lojas, usar drogas em locais públicos ou pegar uma arma e machucar alguém? O que uma pessoa tem que passar para pensar que essas coisas estão bem?”, questionou a CEO da organização.

De pé à beira de uma avenida ensolarada perto do Central Park, Perez-Jordan admite que o problema está mais perto de casa do que a maioria pode imaginar. No ano passado, ela perdeu entes queridos devido ao aumento de crimes violentos, além de overdoses de drogas e Covid-19.

“Um galão de leite custa US$ 4,62. Os aluguéis continuam subindo insustentavelmente”, disse Perez-Jordan.

“Os diagnósticos de saúde mental aumentaram, os sem-teto dispararam e as overdoses e mortes por fentanil devastaram comunidades pobres. Tudo isso enquanto quase um milhão de americanos morreram de um vírus que matou mais de seis milhões em todo o mundo durante os últimos dois anos de um bloqueio global.”

“Acho que é seguro dizer que deveríamos ter visto isso acontecer. As pessoas estão sofrendo, as pessoas estão desesperadas, e aqueles que experimentaram isso por toda a vida estão fartos”, disse ela.

O que Nova York mais precisa, de acordo com Perez-Jordan, são intervenções que “realmente produzam segurança comunitária”, como serviços de saúde mental, aconselhamento sobre abuso de substâncias, programas habitacionais e mais assistentes sociais.

“Eu deveria me sentir seguro em casa”

Ty Sumter relembra os “velhos tempos” com carinho. Ele sorri, contando com entusiasmo tudo o que costumava fazer em Nova York quando se sentia seguro andando sozinho e pegando o trem para casa à noite.

Rotinas pacíficas tornaram-se uma memória do passado, diz ele, e um dia que passa sem incidentes é uma bênção que ele não dá como certo.

“Para quem viaja tarde da noite e de manhã cedo, já vi muitas coisas assustadoras. Mas é uma coisa cotidiana agora”, disse Sumter.

“Como alguém que cresceu aqui nos anos 90, tivemos que caminhar juntos. Não deixamos nossos amigos pegarem os trens sozinhos. Estamos de volta naquela época.”

Sumter tem 47 anos e é gerente de um supermercado Trader Joe’s perto da Union Square. Na sua volta para casa, apesar do céu azul e do zumbido alegre das famílias brincando no parque próximo, ele não está tão feliz assim.

“Eu amo Nova York mais do que tudo. É como encontrar o mundo inteiro em apenas um lugar”, disse Sumter.

“Mas esses níveis de criminalidade me fazem não querer fazer mais nada. Mesmo com esse tempo lindo, eu quero andar por aí, mas para quê? Eu não me sinto seguro. Tem uma delegacia aqui, e eu ainda não me sinto seguro. Eu só quero chegar em casa.”

Weston compartilha pensamentos semelhantes enquanto ela está do lado de fora de uma farmácia na estação de metrô da 125th Street no Harlem. Ela acabou de falar com um amigo cujo carro foi arrombado mais uma vez.

É “verdadeiramente de partir o coração”, disse ela sobre o aumento da criminalidade.

“Ter que andar pelo bairro em que você cresceu, em sua própria casa, constantemente olhando por cima do ombro o tempo todo e em todos os lugares que você vai – incomoda muito fazer isso no lugar de onde você vem”, disse.

“É a casa”, lamenta. “Eu deveria me sentir segura em casa.”

CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e