Ministros do TSE rebatem pedido do Ministério da Defesa sobre acesso a códigos de urnas

Um ministro afirmou que considera um abuso de paciência o envio de tantos ofícios pelo Ministério da Defesa para ressaltar pedidos idênticos

O pedido do Ministério da Defesa para ter acesso aos códigos-fonte das urnas eletrônicas foi recebido por ministros do Tribunal Superior Eleitoral como mais uma tentativa de lançar dúvidas sobre o processo eleitoral. Na avaliação de magistrados, os militares já poderiam ter realizado a inspeção antes, uma vez que os códigos estavam disponíveis desde outubro do ano passado.

Um ministro afirmou que considera um abuso de paciência o envio de tantos ofícios pelo Ministério da Defesa para ressaltar pedidos idênticos. Um outro classificou como desinteresse o fato de o Ministério da Defesa não ter feito a inspeção ao sistema do TSE antes.

No site oficial, o ministério abriu uma aba com o título “Atuação das Forças Armadas em apoio ao TSE no aprimoramento da segurança e da transparência do processo eleitoral” em que relaciona os principais ofícios encaminhados neste ano ao Tribunal Superior Eleitoral com perguntas e sugestões.

Fontes das Forças Armadas apontam que irão continuar com o envio de contribuições e avaliam que, apesar de convidados pelo TSE, não sentem que sejam respeitados.

Os ofícios mais recentes, de segunda-feira (1]), apresentam o alerta de urgentíssimo. Mas, de acordo com integrantes da corte, enquanto o documento ganhava repercussão nesta terça (2), técnicos da justiça eleitoral e técnicos das Forças Armadas já estariam em conversas para marcar a inspeção dos códigos, o que começou a ocorrer nesta quarta-feira (3). As inspeções costumam durar de três a quatro dias.

Antes de deixar a presidência do TSE, o ministro Edson Fachin marcou reunião com a direção-geral da Polícia Federal e também reservou os últimos dias para o anúncio de mais parcerias para auditar as urnas.

Na segunda-feira, representantes das Forças Armadas estiveram pessoalmente no tribunal com todas as instituições fiscalizadoras. Nesta quarta, os militares voltaram para realizar inspeção mais direta nos códigos-fonte.

Apesar das seguidas agendas, ainda há cobrança do Ministério da Defesa para uma reunião específica em que seria discutido o conjunto de ofícios e de sugestões já respondidas pelo tribunal. O TSE não prevê este encontro, no entanto, porque leva em consideração as sucessivas reuniões que já ocorreram. CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e