Mato Grosso: segunda etapa da Operação Trypes envolve 160 agentes em Aripuanã

O garimpo ilegal estaria causando grande impacto social no município com aumento do índice de homicídios, tráfico de drogas e prostituição

A Polícia Federal (PF) começou nesta segunda-feira (7) a 2ª fase da Operação Trypes, com o objetivo de encerrar as atividades de um grande garimpo ilegal no município de Aripuanã, no Mato Grosso.

O nome da operação deriva da palavra grega trypes, que significa buracos, segundo a PF uma alusão ao impacto ambiental na região após a ação criminosa.

De acordo com a polícia, o garimpo ilegal estaria causando grande impacto social no município com aumento do índice de homicídios, tráfico de drogas e prostituição. Cerca de 160 policiais, além de servidores do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (Ibama) e da Secretaria de Estado do Meio Ambiente do Mato Grosso – (Sema/MT) vão trabalhar na região durante toda a semana.

No dia 26 de setembro, a mesma operação desarticulou uma organização criminosa atuante na extração e comercialização ilegal de ouro da Amazônia Legal, que abrange Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e parte do Mato Grosso, Tocantins e Maranhão. Cerca de 60 policiais federais cumpriram 16 mandados de busca e apreensão, dois mandados de suspensão de atividade econômica, dois mandados de bloqueio de contas e seis mandados de prisão preventiva nas cidades de Aripuanã, Alta Floresta, Juína, Nova Bandeirantes e Paranaíta, todas no Mato Grosso.

Segundo a PF, as investigações apontaram que no local ocorria lavagem de dinheiro, emissão de documentos falsos e uso de contas bancárias para atividade criminosa.

Por

Webjornal O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e