Maior bactéria do mundo é descoberta e cientistas comparam a forma de cílio humano

Uma bactéria recém-descoberta – que é grande o suficiente para ser visível a olho nu e se assemelha à forma e ao tamanho de um cílio – foi encontrada em Guadalupe, nas Pequenas Antilhas, de acordo com um estudo publicado nesta quinta-feira (23) na revista Science.

Estas são bactérias como você nunca viu antes – provavelmente porque, até agora, todas as bactérias conhecidas só podiam ser vistas usando um poderoso microscópio composto.

Thiomargarita magnifica – uma referência ao seu tamanho excepcional – tem um comprimento médio de célula superior a 9.000 micrômetros, que é quase 1 centímetro de comprimento. As células da maioria das espécies bacterianas têm cerca de 2 micrômetros de comprimento, embora as maiores possam chegar a 750 micrômetros.

T. magnifica pode crescer até 2 centímetros de comprimento, de acordo com o coautor do estudo Jean-Marie Volland, biólogo marinho e cientista do Laboratório de Pesquisa em Sistemas Complexos da Califórnia e afiliado do Departamento de Energia do Instituto Conjunto do Genoma dos Estados Unidos.

“Para entender o quão gigantesco isso é para uma bactéria, é o mesmo que encontrar um humano tão alto quanto o Monte Everest”, disse ele à CNN na quarta-feira (22).

Mais de 625.000 bactérias E. coli poderiam caber na superfície de um único T. magnifica. No entanto, apesar de seu tamanho, a bactéria tem uma superfície “notavelmente intocada”, desprovida das bactérias que vivem na superfície de plantas e animais vivos, de acordo com o estudo.

Como ele sustenta seu tamanho?

Pensava-se anteriormente que as bactérias não podiam crescer até um tamanho visível a olho nu devido à forma como interagem com o ambiente e produzem energia.

Mas a T. magnifica tem uma extensa rede de membranas que pode produzir energia para que não dependa apenas da superfície da bactéria para absorver nutrientes através de sua célula.

Volland foi capaz de visualizar e observar as células gigantes em 3D com a ajuda de tomografia de raios-X duro, microscopia confocal de varredura a laser e microscopia eletrônica de transmissão, de acordo com um comunicado à imprensa.

Ao contrário da maioria das bactérias, que possuem material genético flutuando livremente dentro de sua única célula, uma célula de T. magnifica tem seu DNA contido em pequenos sacos que possuem uma membrana, chamadas pepinas.

“Esta foi uma descoberta muito interessante que abre muitas novas questões porque não é algo que é classicamente observado em bactérias. Na verdade, é uma característica de células mais complexas, o tipo de células que constituem nossos corpos ou animais e plantas”, disse. disse Volland.

“Queremos entender o que são esses pepins e o que exatamente eles fazem, e se eles desempenham um papel na evolução do gigantismo para essas bactérias, por exemplo.”

T. magnifica foi descoberto pela primeira vez crescendo como finos filamentos brancos nas superfícies de folhas de mangue em decomposição em manguezais marinhos tropicais rasos em Guadalupe, de acordo com o estudo.

Essas bactérias gigantes crescem em sedimentos no fundo das águas sulfurosas, onde aproveitam a energia química do enxofre e usam o oxigênio da água ao redor para produzir açúcares, de acordo com Volland. T. magnifica também pode produzir alimentos a partir de dióxido de carbono.

Tem sido sugerido que por ser muito maior do que uma bactéria média, uma célula T. magnifica poderia ser melhor em acessar tanto o oxigênio quanto o enxofre em seu ambiente ao mesmo tempo, de acordo com Volland.

Também é possível que o tamanho das células de T. magnifica em comparação com os outros micróbios da população bacteriana signifique que elas não precisam se preocupar em serem comidas por predadores.

Uma ‘caixa preta’ microbiana

Tanja Woyke, cientista sênior do Laboratório Nacional Lawrence Berkeley, na Califórnia, acredita que é provável que as bactérias gigantes, ou espécies relacionadas, possam ser encontradas em outros manguezais ao redor do mundo.

“Sempre me impressiona o quão pouco sabemos sobre o mundo microbiano e o quanto existe por aí”, disse ela na quarta-feira, acrescentando que o mundo microbiano “ainda é uma caixa preta”.

Woyke, que lidera o Programa de Genômica Microbiana do Departamento de Energia do Joint Genome Institute dos EUA, é uma das principais autores do estudo.

“Viés de confirmação relacionado ao tamanho viral impediu a descoberta de vírus gigantes por mais de um século”, concluiu o estudo.

“A descoberta do Ca. T. magnifica sugere que bactérias grandes e mais complexas podem estar escondidas à vista de todos.”

“Só porque ainda não vimos, não significa que não exista”, acrescentou Woyke.

CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e