Maduro fecha contratos com a Rússia no valor de mais de US$ 6 bilhões

Ele antecipou que a partir de 2019 venderá todo seu petróleo na criptomoeda petro

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou nesta quinta-feira (6) a assinatura de vários contratos com a Rússia para investir mais de US$ 6 bilhões em projetos conjuntos nos setores petrolíferos e auríferos.

“Estamos bem. Encerramos uma visita extraordinária”, disse Maduro em um vídeo postado na sua conta do Twitter.

Maduro, que se reuniu na quinta-feira com o presidente da Rússia, Vladimir Putin, explicou que hoje em Moscou foi assinado um contrato que garante “investimentos de mais de US$ 5 bilhões para elevar a produção petrolífera com nossos parceiros russos nas empresas mistas” até quase um milhão de barris.

A essa quantia se soma o acordo para investir uma quantia “superior a US$ 1 bilhão para a produção em mineração, fundamentalmente em ouro”.

Também no setor da mineração antecipou que uma comissão exploratória de empresários russos viajará em breve à Venezuela para abordar a possibilidade de investir no setor do diamante.

Maduro, que falou em uma pequena sala de reuniões com uma vidraçaria e o Kremlin ao fundo, também informou sobre a assinatura de um contrato para garantir o fornecimento de 600.000 toneladas de trigo “para o pão ao povo venezuelano” que cobrirá todas as necessidades do seu país em 2019.

“Isto é muito importante, já que vocês se lembram da guerra do pão que fizeram há dois anos, que já fizeram nos processos revolucionários em outros países para desestabilizá-los”, comentou.

No plano militar, ambas partes também fecharam contratos “para o atendimento, assistência e reparação do sistema de armas da república bolivariana da Venezuela”.

De fato, meios de comunicação russos informaram sobre a reunião do ministro da Defesa venezuelano, o general Vladimir Padrino López, com seu homólogo russo, Sergei Choigu, a quem expressou o interesse de Caracas em modernizar e renovar seus equipamentos militares.

Por sua parte, Choigu ressaltou que a Rússia está interessada em continuar utilizando os aeródromos e portos do país caribenho para seus navios de guerra e aviação militar.

Maduro, que qualificou a aliança com a Rússia de “integral, energética, alimentar, comercial, de telecomunicações e armamentista”, lembrou que em março se reunirá novamente a comissão mista em Moscou “para seguir avançando na relação”.

“Só me resta dizer-lhe: Obrigado, presidente Putin! Obrigado ao povo russo! E seguimos avançando…nesta aliança a Rússia e a Venezuela, mais unidas que nunca. Vencendo pelo caminho de Bolívar, pelo caminho de Chávez. Sempre pelo caminho de Chávez. Viva a Venezuela!”, afirmou.

Além disso, destacou que a Venezuela defende um novo corte na extração de petróleo, assunto que já foi tratado na cúpula da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) em Viena, para evitar que caiam os preços.

Nesse sentido, antecipou que a partir de 2019 venderá todo seu petróleo na criptomoeda petro, planos que também foram abordados pela delegação venezuelana com os dirigentes russos durante a estadia de Maduro em Moscou.

Putin apoiou ontem a normalização das relações entre Maduro e a oposição, e condenou qualquer tentativa de mudar a situação política no país latino-americano pela força, em alusão à suposta ingerência dos Estados Unidos.

EFE

Por

Webjornal O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e