Luta da Ucrânia é inspiração para Taiwan, diz chanceler

A Taiwan democrática e autogovernada é reivindicada pela China, que prometeu trazer a ilha de volta ao seu controle, pela força, se necessário

Os ucranianos que lutam contra invasores russos inspiraram o povo de Taiwan, disse o ministro das Relações Exteriores da ilha nesta segunda-feira (7), ao anunciar milhões de dólares em ajuda para refugiados ucranianos.

“Apesar da grande adversidade, o governo e o povo da Ucrânia têm lutado com tremenda coragem e determinação”, disse o ministro, Joseph Wu, em entrevista. “Deixe-me dizer isso do fundo do meu coração: vocês têm sido uma inspiração para o povo taiwanês ao enfrentar ameaças e coerção do poder autoritário.”

A Taiwan democrática e autogovernada é reivindicada pela China, que prometeu trazer a ilha de volta ao seu controle, pela força, se necessário. Enquanto algumas pessoas traçaram paralelos entre a situação da Ucrânia, tentando afastar as tropas invasoras russas, e Taiwan, enfrentando a ameaça de invasão por forças chinesas, a China rejeita a comparação dizendo que Taiwan sempre fez parte da China.

Taiwan também disse que a situação da ilha é fundamentalmente diferente, citando a barreira natural do Estreito de Taiwan – que a separa da China – e o papel fundamental de Taiwan na cadeia global de fornecimento de semicondutores. Taiwan aumentou seu nível de alerta desde o início da guerra na Ucrânia, mas não relatou movimentos militares incomuns da China.

Wu disse que muitas pessoas em Taiwan simpatizam com o povo da Ucrânia.

“Muitos taiwaneses dirão como eu agora: sou ucraniano”, disse Wu, sentado em frente a uma grande bandeira ucraniana com a mensagem: “Taiwan está com a Ucrânia”.

A Rússia chama sua ação na Ucrânia de “operação especial” que, segundo ela, não foi projetada para ocupar território, mas para destruir as capacidades militares de seu vizinho do sul e capturar o que considera perigosos nacionalistas no poder. Wu disse que Taiwan levantou mais de US$ 10,6 milhões para ajudar ucranianos deslocados desde que seu ministério abriu uma conta para doações, e o escritório de representação de Taiwan na Polônia fará nesta segunda-feira (7) o primeiro desembolso de 100 milhões de dólares tailandeses (o equivalente a R$ 15,3 milhões) para uma agência de refugiados.

A presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, o vice-presidente William Lai e o primeiro-ministro Su Tseng-chang disseram que darão, cada um, um mês de salário para ajuda humanitária. O embaixador da Polônia em Taiwan, Cyryl Kozaczewski, participou da coletiva de imprensa e agradeceu a Taiwan por sua ajuda, incluindo um recente envio para a Polônia de 27 toneladas de suprimentos médicos para refugiados.

Taiwan também aderiu às sanções lideradas pelo Ocidente contra a Rússia, embora seu próprio comércio com a Rússia seja mínimo. A China também prometeu ajuda para a Ucrânia nesta segunda-feira, ao mesmo tempo em que reafirma sua amizade com a Rússia. O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, disse que sua agência da Cruz Vermelha “assim que possível” fornecerá ajuda à Ucrânia, sem dar detalhes. Foi a primeira vez que a China anunciou tal ajuda. O país se recusou a chamar o ataque russo à Ucrânia de “invasão”, enquanto pede aos países ocidentais que respeitem as “legítimas preocupações de segurança” da Rússia. A China apelou para uma solução para a crise através de negociações.

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e