Lula afirma que “O PSDB

Ele também disse que as chacinas são “muitas vezes causadas pela polícia” e que a violência policial é resultado da ausência e da incompetência do estado

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), pré-candidato ao Palácio do Planalto nas eleições deste ano, afirmou nessa terça-feira (31) que o “PSDB acabou” e que o PT está mais forte.

“Me prenderam achando que a gente ia ficar mais fraco. E a verdade é que vocês fizeram eu sair da cadeia muito mais forte do que quando entrei. Se eles achavam que iam banir o PT…  Uma vez teve um senador do PFL que disse que era preciso acabar com ‘essa desgraça do PT’, o Jorge Bornhausen. O PFL acabou. Agora quem acabou foi o PSDB. E o PT continua forte, continua crescendo e [é] um partido que conseguiu compor a maior frente de esquerda já feita nesse país”, disse fazendo referências à crise entre os tucanos e também à criação do União Brasil, resultado da fusão do DEM (antigo PFL) com o PSL.

O pré-candidato fez as afirmações em discurso, em São Paulo, durante o lançamento do livro “Querido Lula”, que reúne cartas enviadas a ele enquanto esteve preso em Curitiba após as condenações na Operação Lava Jato.

Lula também disse que as chacinas são “muitas vezes causadas pela polícia” e que a violência policial é resultado da ausência e da incompetência do estado.

“Vocês viram o atual presidente chorar com alguma morte de gente pelo Covid, vocês viram o presidente chorar por alguma que pessoa que morreu nesses acidentes e nessas chacinas, muitas vezes causadas pela polícia? Porque a violência da polícia hoje é a ausência do estado no cumprimento das suas funções”, declarou.

“Se o estado estivesse levando cultura, levando casa, levando água, levando emprego, levando educação, levando área de lazer, certamente a polícia seria apenas mais um componente. Mas a polícia só vai porque o estado manda para resolver um problema que é resultado da incompetência do estado”, acrescentou o petista.

“Estamos lutando contra gente muito ruim, lutando contra os matadores da [vereadora] Marielle [Franco], lutando contra os milicianos, lutando contra as pessoas que não têm medo de matar inocente, pessoas que não têm medo de fazer com o Genivaldo [de Jesus Santos] o que a Polícia Rodoviária Federal fez em Sergipe”, afirmou Lula em outro trecho do discurso.

“Qualquer um de nós tem o direito de reagir emocionalmente e cometer uma barbárie, mas o estado não tem esse direito. O braço armado do estado não tem o direito de chegar atirando a esmo, dizendo que é todo mundo bandido e depois você percebe que é a maioria é inocente.”

Lula tem feito referências à atuação das polícias mesmo depois da gafe cometida no fim de abril, quando disse que Bolsonaro “não gosta de gente, gosta de policial”.

Depois, em discurso no dia 1º de maio, o petista se desculpou com os policiais, afirmou que eles devem ser tratados como trabalhadores e que queria ter dito que Bolsonaro gosta de milícia.

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e