Líderes republicanos em Michigan são cortejado por Trump para tentar reverter derrota

O presidente e sua equipe jurídica estão fazendo um esforço para anular os resultados da eleição que ele perdeu para o presidente-eleito Joe Biden

O presidente Donald Trump convidou legisladores estaduais republicanos do estado de Michigan para irem à Casa Branca na sexta-feira (20), de acordo com uma pessoa familiarizada com o assunto.

Trump e sua equipe jurídica estão fazendo um esforço para anular os resultados da eleição que ele perdeu para o presidente-eleito Joe Biden.

Ele também convocou dois membros republicanos do conselho do condado de Wayne para o visitarem na terça-feira (24) e então oferecer seu apoio à dupla, disse a mesma fonte.

Os dois convidados voltaram atrás na certificação dos resultados da eleição do maior condado do estado, que inclui Detroit.

A dupla apresentou seus argumentos na quarta-feira (18), buscando “rescindir” seus votos feitos na certificação do resultado da eleição.

Segundo a fonte, Trump estendeu o convite aos legisladores de Michigan, ligando para o líder da maioria republicana no senado estadual.

A certificação geralmente é uma formalidade, mas Trump está tentando bloquear ou atrasar o processo em estados-chave como parte de um esforço de longo prazo para anular sua derrota eleitoral no Colégio Eleitoral.

O advogado de Trump, Rudy Giuliani, e outros aliados sugeriram que as legislaturas estaduais do Partido Republicano naqueles estados conhecidos como “campos de batalha” nos quais Biden venceu deveriam tentar atrasar a certificação para indicar sua própria chapa eleitoral e ignorar os votos populares dos estados para Biden.

Isso ocorre no momento em que as opções dos advogados de Trump para contestar os resultados eleitorais em estados em que o presidente perdeu estão evaporando rapidamente, ao mesmo tempo que os estados se movem para certificar seus resultados eleitorais.

Giuliani deu uma entrevista coletiva de 90 minutos na quinta-feira (19), na qual ele e sua equipe apresentaram alegações legais duvidosas, expuseram teorias de conspiração já desmascaradas e não trouxeram evidências específicas e confiáveis de fraude eleitoral.

“Isso é muito perigoso para nossa democracia, pois é uma tentativa de frustrar a vontade dos eleitores por meio da pressão política do presidente”, escreveu o especialista em legislação eleitoral da CNN, Rick Hasen, em seu website.

“Embora seja extremamente improvável que funcione, é profundamente antidemocrático e uma violação do estado de direito. É imperdoável”.

Chris Krebs, o diretor demitido do Departamento de Segurança Interna que rejeitou as alegações de Trump de fraude eleitoral generalizada, tuitou que a entrevista coletiva de Giuliani foi “a mais perigosa uma hora e 45 minutos de televisão da história norte-americana. E possivelmente a mais louca”.

Não está claro qual será a mensagem de Trump para os legisladores do Partido Republicano em Michigan. Tanto o líder da maioria no Senado de Michigan, Mike Shirkey, quanto o presidente da Câmara, Lee Chatfield, disseram que honrarão o voto popular de seu estado e não se desviarão do processo de seleção dos eleitores em Michigan.

Biden atualmente tem uma vantagem de 154.187 votos sobre Trump no estado.

Em 24 de setembro, Shirkey liderou o Senado para aprovar uma resolução garantindo que os eleitores votassem no candidato com a maioria dos votos, certificado por funcionários eleitorais.

“O Senado de Michigan se compromete a selecionar eleitores para o Colégio Eleitoral que sejam fiéis em votar no candidato com mais votos para presidente em Michigan, conforme certificado pelas autoridades eleitorais de Michigan”, diz a resolução.

Os argumentos da campanha legal de Trump fracassaram completamente, com processos sendo arquivados ou arquivados no Arizona, Michigan e Pensilvânia.

Uma fonte familiarizada com o pensamento do presidente disse à CNN que Trump ouviu uma multidão de amigos e parceiros de negócios que o instaram a pelo menos deixar a transição começar, mesmo que ele não queira admitir a derrota. Ele disse que eles estão “absolutamente errados”, disse a fonte.

Ligações para Detroit

Em Wayne County, os dois membros republicanos do Conselho de Inspetores do condado receberam ligações de Trump na terça-feira (17).

Segundo o jornal “The Washington Post”, Monica Palmer, um dos membros do conselho, relatou que recebeu uma ligação de cerca de dois minutos de Trump, e disse que não sentia pressão para mudar o voto dela para ele.

“Recebi um telefonema do presidente Trump, na noite de terça-feira, após a reunião”, disse Palmer ao jornal. “Ele estava verificando se eu estava segura depois de ouvir sobre as ameaças e doxing que ocorreram”.

Os membros do conselho do Partido Republicano no condado de Wayne lançaram o processo de certificação eleitoral (normalmente tranquilo) no caos na terça-feira, quando votaram inicialmente contra a certificação dos resultados do condado, deixando o conselho em um impasse de 2 a 2.

Depois de horas de pressão pública e reclamações de que estavam descaradamente privando centenas de milhares de eleitores da cidade de maioria negra de Detroit, os republicanos mudaram seus votos e a certificação foi aprovada por unanimidade.

No entanto, na quarta-feira, Palmer e William Hartmann, o segundo membro do conselho republicano, enviaram depoimentos juramentados ao advogado do condado, desmentindo seus votos anteriores na certificação.

Dado que o prazo para a certificação do condado já passou, não está claro que instrumento legal ou argumento legítimo os dois republicanos podem apresentar para rescindir formalmente seus votos e desfazer a certificação.

“Não existe um mecanismo legal para eles rescindirem seu voto”, disse a porta-voz da secretária de Estado de Michigan, Tracy Wimmer. “O trabalho deles está feito e a próxima etapa no processo é o Conselho de Inspetores do Estado se reunir e certificar”.

O vice-diretor democrata, Jonathan Kinloch, disse na quinta-feira que a data de certificação do condado em 17 de novembro é um prazo final e que os votos dos membros do conselho não podem ser alterados após o fato.

Os oficiais do Partido Republicano enviaram suas declarações ao condado, mas a ação para por aí. Eles não entraram com nenhuma ação judicial para tentar forçar o condado a convocar uma nova reunião.

“Não há mais nenhuma ação que possa ser tomada em relação à certificação”, disse Kinloch à CNN. “Eles estão fazendo disso um espetáculo por causa das pressões que estão recebendo”.

Questionada pelo “Washington Post” se ela havia discutido a contagem dos votos presidenciais com Trump, Palmer disse: “É difícil para mim descrever. Havia muita adrenalina e estresse acontecendo. Houve comentários gerais sobre diferentes estados, mas realmente não discutimos os detalhes da certificação…  Não foi pressão. Foi uma preocupação genuína com a minha segurança”.

Próximos passos no Michigan

A próxima etapa no estado é o Conselho de Inspetores do estado certificar os resultados da eleição, que está marcada para a próxima semana. Esse conselho inclui dois republicanos e dois democratas.

O cônjuge de um dos membros republicanos do conselho, Norm Shinkle, protocolou uma declaração juramentada em apoio à ação judicial da campanha de Trump em Michigan.

A secretária de Estado de Michigan, Jocelyn Benson, democrata, disse na quinta-feira que seu escritório realizaria uma auditoria de limitação de risco em todo o estado, bem como auditorias de desempenho locais de jurisdições individuais. Essas auditorias foram planejadas com antecedência.

Benson mencionou especificamente que seu escritório realizaria uma auditoria de desempenho local no condado de Wayne, algo que os membros do conselho do Partido Republicano pediram que ela fizesse quando certificassem os resultados na terça-feira.

Os dois republicanos que desde então entraram com depoimentos para rescindir seus votos alegaram que Benson estava vacilando em sua promessa de concluir uma auditoria, mas o anúncio de Benson na quinta-feira reverte tais preocupações.

A campanha de Trump abriu seu processo em Michigan na quinta-feira, alegando irregularidades na votação.

Ele inclui os dois depoimentos dos membros do conselho do Partido Republicano e deturpando que os resultados da eleição de Wayne County não foram certificados. CNN

Por

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e