Líder do Talibã alerta estrangeiros para não interferirem no Afeganistão

As mulheres não podem mais trabalhar na maioria dos setores e precisam de um tutor masculino para viagens de longa distância, enquanto as meninas foram impedidas de voltar à escola secundária

O líder do Talibã, Mawlawi Haibatullah Akhundzada, mais uma vez alertou os estrangeiros para não interferirem no Afeganistão durante um raro discurso em uma reunião de clérigos islâmicos em Cabul na sexta-feira (1°), segundo a mídia estatal.

O líder recluso disse na conferência que o Afeganistão “não pode se desenvolver sem ser independente”, segundo a agência de notícias estatal Bakhtar.

“Graças a Deus, agora somos um país independente. (Estrangeiros) não devem nos dar suas ordens, é nosso sistema e temos nossas próprias decisões”, acrescentou Akhundzada.

No discurso, Akhundzada elogiou a tomada do Afeganistão pelo Talibã em agosto passado, quase duas décadas depois de terem sido expulsos de Cabul pelas tropas americanas, dizendo:

“O sucesso da jihad afegã não é apenas motivo de orgulho para os afegãos, mas também para todos os muçulmanos pelo mundo”.

A velocidade da tomada do poder, poucas semanas após o início da retirada das tropas americanas, pegou o mundo de surpresa e levou à dissolução do governo de Ashraf Ghani, apoiado por estrangeiros, que havia fugido do país.

Akhundzada fez os comentários em uma gravação de áudio durante uma reunião religiosa de três dias com 3.000 participantes – todos do sexo masculino, segundo a mídia estatal. A reunião não foi aberta à mídia, mas a CNN ouviu a gravação do discurso de Akhundzada.

A reunião em Cabul começou na quinta-feira (30). Akhundzada está estabelecido em Kandahar, berço do Talibã e coração espiritual, raramente é fotografado em público, fato que alimentou rumores ao longo dos anos de que ele estava doente ou possivelmente morto. Nenhuma fotografia de Akhundzada participando da reunião, que começou em Cabul na quinta-feira, foi divulgada.

Um clérigo religioso sênior da geração fundadora do Talibã, Akhundzada, foi nomeado líder do Talibã em 2016, depois que o líder anterior do grupo, Mullah Akhtar Mohammad Mansour, foi morto em um ataque aéreo dos EUA no Paquistão.

Ele manteve o cargo quando o grupo anunciou seu governo interino em setembro.

Akhundzada descartou incluir administrações passadas na formação de qualquer governo futuro, embora tenha dito que as “perdoou”.

“Perdoei os opressores do antigo regime. Não os responsabilizo por suas ações passadas, se alguém lhes criou problemas sem cometer novos crimes, eu os punirei. No entanto, o perdão não significa trazê-los para o governo”, disse. Akhundzada disse na gravação de áudio.

A mensagem parecia contradizer as declarações feitas por outros membros da liderança do Talibã nos últimos meses, que expressaram uma abertura a um governo mais inclusivo para obter apoio internacional.

A comunidade internacional pediu repetidamente ao Talibã para ampliar as fileiras de seu governo e restabelecer os direitos de mulheres e meninas, que foram retirados desde que o grupo tomou o poder, se quiserem ser oficialmente reconhecidos. O Banco Mundial congelou projetos no valor de centenas de milhões de dólares sobre o assunto.

As mulheres no Afeganistão não podem mais trabalhar na maioria dos setores e precisam de um tutor masculino para viagens de longa distância, enquanto as meninas foram impedidas de voltar à escola secundária.

Sirajuddin Haqqani, ministro do Interior interino do Afeganistão e vice-líder do Talibã desde 2016, disse em maio que haveria “boas notícias em breve” sobre a promessa ainda não cumprida do Talibã de permitir que as meninas voltem à escola, mas sugeriu que as mulheres que protestaram contra o as restrições do regime aos direitos das mulheres devem ficar em casa.

Durante uma reunião urgente realizada em Genebra na sexta-feira, a chefe de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, alertou que “mulheres e meninas no Afeganistão estão experimentando o retrocesso mais significativo e rápido no gozo de seus direitos em décadas”.

Falando aos clérigos, Akhundzada reafirmou seu compromisso com a implementação da lei Sharia, o sistema legal do Islã derivado do Alcorão, enquanto expressava sua oposição ao “modo de vida dos não crentes”.

A dura interpretação do Talibã da lei Sharia quando esteve no poder levou a dezenas de punições violentas, incluindo o apedrejamento de supostos adúlteros, execuções públicas e amputações. CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e