Lançamento em SP do livro ‘Ser Pai de Menina é…’

Autor dá o exemplo e inspirada outros pais de meninas com charges divertidas, que as filhas tem direto a serem o que elas quiserem

SerPaiDeMeninaÉ-sp

Fotos: Divulgação

O autor Marcelo Amaral, que além de escritor, é também ilustrador e designer, inspirado pelo nascimento da filha Manuela, criou uma página com charges divertidas que chamou ‘Ser Pai de Menina é…’

Já conhecido por seu trabalho com o público infanto-juvenil, por causa da série de livros da ‘Turma da Página Pirata’, a homenagem feita pelo autor às mulheres de sua vida (a filha e a esposa Carol) ganhou a internet e as livrarias.

Depois do sucesso na Bienal do Livro do Rio 2015, o livro foi lançado em São Paulo e O Estado RJ fez uma entrevista exclusiva com o autor.

O Estado RJ: Em várias charges você alerta aos pais quanto a comportamento sexistas, pensava em inspirar quando começou a desenha-las?

Marcelo Amaral: Essa visão sexista entre pais de crianças de ambos os sexos sempre me incomodou muito. As pessoas querem definir regras para meninas e meninos, o que podem ou não vestir, com o que podem ou não brincar, como devem ou não se comportar. São crianças, sabe? Vamos deixar que sejam elas mesmas! Odeio quando entro em uma loja com a Manu e a vendedora me diz que “a seção de menina é do outro lado”. Assim como também não curto o radicalismo oposto, de que “menina não pode usar rosa, nem ser princesa, porque isso é uma visão machista”. Na minha opinião a criança tem que ser livre para usar de tudo: roupa de princesa, de moleca, roupa pra sujar, roupa pra ficar linda… O que importa é ela ser feliz! Através das tirinhas já falei sobre alguns desses pontos. Já recebi críticas de quem ainda acha que existem coisas “de menina” e “de menino”, mas a maioria dos leitores apoia. Sinal de que os tempos estão mudando e isso é ótimo!

OERJ: Como surgiu a ideia de fazer charges inspiradas em acontecimentos envolvendo sua filha?

MA: Desde que a Manu nasceu eu já pensava em uma forma de contar a nossa história, feito um diário. Mas a correria de ter um recém nascido em casa só me permitia fazer algumas poucas anotações sobre a nossa rotina. Eu e minha esposa começamos a brincar com as situações mais engraçadas, do tipo: “Ser pai de menina é encarar a troca de fralda logo após aquela explosão de cocô”. Achei que essa seria uma forma divertida de contar a nossa história. Quando Manu fez três meses comecei a desenhar as primeiras tirinhas, postei numa rede social e logo o trabalho fez sucesso, pois as pessoas se identificaram muito!

OERJ: O sucesso levou a publicação de um livro, como foi feito a seleção das charges?

MA: Foi uma correria! (risos) Queríamos lançar a tempo da Bienal do Livro do Rio, então fiz uma seleção das 60 tirinhas que fariam parte do livro junto com a minha esposa, Carol. A editora aprovou a maioria das artes, mas pediu alterações de texto em algumas e outras foram recusadas por não funcionarem tão bem fora do contexto da página. Como queríamos usar apenas textos bem curtos e sem muitas explicações, acabamos usando aquelas cujos desenhos eram bem objetivos e não davam margens a diferentes interpretações.

OERJ: Pretende publicar outros livros de ‘Pai de Menina’?

MA: Eu gostaria de publicar um livro por ano, sempre reunindo as melhores tirinhas de cada fase da Manu. Também estou trabalhando em outra série de tiras, a “Como a Mãe Vê… Como o Pai Vê…” que mostra os diferentes pontos de vista do casal desde a gestação até o dia a dia com o filho. Espero transformá-la em livro também algum dia.

OERJ: A arte das charges são divertidas e muitos bem desenhas, já pensou em criar uma linha de roupas?

MA: Já pensei sim, inclusive já recebi propostas de licenciamento. Estou em busca de parceiros que produzam peças de qualidade para estampar minhas artes. Quem conhecer alguém pode entrar em contato comigo!

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e