Japão utilizará reatores nucleares para reduzir dependência da energia russa

O Japão tornou-se mais dependente do gás russo desde o desligamento dos reatores nucleares após o desastre de Fukushima em 2011, no qual um terremoto e um tsunami desencadearam um derretimento, devastando a região nordeste

O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, disse nesta quinta-feira (5) que o Japão utilizará reatores nucleares para reduzir a dependência da energia russa.

Falando em Londres, ele disse que 150 trilhões de ienes em investimentos seriam levantados na próxima década para atender às necessidades de energia e prometeu um roteiro para 2030, maximizando os preços de carbono pró-crescimento econômico.

O Japão tornou-se mais dependente do gás russo desde o desligamento dos reatores nucleares após o desastre de Fukushima em 2011, no qual um terremoto e um tsunami desencadearam um derretimento, devastando a região nordeste.

Mas, diante das eleições em julho e do aumento dos preços da energia que comprime os orçamentos dos eleitores, Kishida disse que a nuclear faria parte da futura política energética do país.

Ele disse que o Japão abordaria a “vulnerabilidade de nossa própria autossuficiência energética”, ampliando locais de compra de energia, promovendo as energias renováveis e utilizando a nuclear para diversificar suas fontes de geração.

“Utilizaremos reatores nucleares com garantias de segurança para contribuir para a redução mundial da dependência da energia russa”, disse Kishida a uma audiência no distrito financeiro de Londres.

“Reiniciar apenas um reator nuclear existente teria o mesmo efeito que fornecer 1 milhão de toneladas de novo GNL (Gás Natural Liquefeito) por ano para o mercado global”.

Mais de uma década após o terremoto e o tsunami de março de 2011 desencadearem a pior crise nuclear desde Chernobyl, a energia nuclear continua sendo uma questão difícil no Japão, onde poucas entre suas cerca de 30 usinas operam atualmente.

Mas a maioria do público e das empresas quer que o governo reinicie os reatores nucleares para tratar da segurança energética, com a crise da Ucrânia e os custos mais elevados da energia tendo acrescentado um impulso a essa mudança de opinião.

Kishida passou mensagens de investimento em Londres: “O Japão é uma compra”.

Ele disse que 150 trilhões de ienes (1,16 trilhões de dólares) em investimentos seriam levantados na próxima década para cumprir suas metas de neutralidade de carbono até 2050 e reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 46% até 2030. CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e