Ibovespa fecha em alta com decisões políticas e commodities no radar; dólar cai

A moeda norte-americana encerrou com queda de 0,10%, a US$ 5,739 na venda.

o Ibovespa teve leve alta ao longo desta terça-feira (21) e subiu 0,46%, aos 105.499,88 pontos, no fechamento deste pregão, se recuperando da queda da véspera, em meio a preocupações com a variante Ômicron. O dólar caiu ante o real nesta terça-feira (21), após o Banco Central voltar a entrar em cena nos mercados, com a realização neste pregão de um leilão de moeda à vista.

A moeda norte-americana encerrou com queda de 0,10%, a US$ 5,739 na venda.

“Hoje é um dia mais morno, os mercado internacionais estão dando um alívio após as fortes quedas de ontem. O petróleo e o minério sobem com a segurança dos investidores também”, afirma Vitor Carettoni, diretor da mesa de renda variável da Lifetime Investimentos. “O noticiário está bastante esvaziado nesta tarde”.

Ele destaca ainda que esse movimento neutro deve seguir até o final do ano, “mesmo com a redução da liquidez no mercado por conta das festas de fim de ano”.

Alexsandro Nishimura, economista e sócio da BRA, afirmou que “o Ibovespa seguiu o dia de alívio no cenário internacional e recuperou parte das perdas das duas últimas sessões. À medida que se aproxima o Natal, o volume parece começar a se reduzir, assim como a volatilidade do índice, com o Ibovespa oscilando sob uma estreita faixa de menos de mil pontos entre a máxima e a mínima”.

“A variante Ômicron seguiu no radar, mas dessa vez de forma positiva, com as notícias de que a vacina da Moderna teria eficácia comprovada quando aplicada a terceira dose, e de que a Novavax poderia começar a entregar antiviral reforçado contra a nova variante já no primeiro trimestre de 2022”, disse.

Cenário político

O mercado também ficou atento ao cenário político brasileiro. Nesta terça-feira, a Comissão Mista de Orçamento (CMO) aprovou o parecer do relator-geral da Lei Orçamentária Anual (LOA), deputado Hugo Leal (PSD-RJ), que prevê R$ 4,9 bilhões para o fundo eleitoral – conhecido como fundão – e ainda reserva R$ 1,7 bilhão para reajuste de policiais.

“Já temos um problema fiscal e, com mais pressão por gastos em 2022, gera uma pulga atrás da orelha” dos participantes do mercado, disse Schroeder.

Analistas da Levante Investimentos, por outro lado, disseram em nota que acreditam que “os mercados já parecem ter pacificado (e precificado) a nova realidade fiscal do país, (…) e agora passam a se preocupar com as eleições de 2022 e a plataforma econômica do novo presidente eleito”.

Ainda no cenário interno, o mercado seguiu atento a aprovação do Orçamento para 2022 nesta tarde, por parte da Comissão Mista de Orçamento (CMO), que dá as diretrizes para os gastos e projeções de receitas da União no próximo ano.

A CMO é formada por deputados e senadores e tem a função de debater e fazer alterações no projeto orçamentário original enviado anualmente pelo governo federal.

O projeto prevê um salário mínimo de R$ 1.210 para 2022 e um valor de R$ 4,934 bilhões para o fundo eleitoral. O relatório aprovado também acrescentou uma reserva de R$ 1,7 bilhão para reajuste de policiais, uma demanda do presidente Jair Bolsonaro, e R$ 16,5 bilhões para as emendas de relator.

A proposta segue, agora, para votação no plenário do Congresso, prevista também para ser concluída nesta terça-feira. Por fim, deve ser sancionada pelo presidente da República, podendo ainda receber vetos.

Commodities

Os papéis ligados a commodities deram suporte ao índice nesta terça-feira também.

Dólar

O dólar caiu ligeiramente frente ao real nesta terça-feira, mas fechou a sessão longe das mínimas do dia apesar de mais uma intervenção do Banco Central no mercado à vista, com investidores mantendo-se cautelosos em meio à disseminação global da variante Ômicron da Covid-19 e a temores fiscais domésticos.

“O cenário externo também tem puxado o dólar para cima; com a variante Ômicron, alguns países da Europa estão decretando lockdown, aí, como a gente já viu outras vezes com a (variante) Delta, o risco faz com que o dólar suba, o pessoal vai se proteger sempre nele”, disse Lucas Schroeder, diretor de operações da Câmbio Curitiba, à Reuters.

Schroeder também atribuiu o patamar elevado da divisa norte-americana a altas recentes provocadas por movimentos sazonais de saídas de fluxos do Brasil, à medida que empresas fazem pagamentos de dividendos.

Ao mesmo tempo, a operação do Banco Central aconteceu entre 9h30 e 9h35, e foram aceitos, no máximo, US$ 500 milhões. A autarquia também disponibilizou até 15 mil contratos de swap cambial tradicional para rolagem do vencimento de 1° de fevereiro de 2022.

Na segunda-feira, a moeda norte-americana spot teve alta de 1,06%, a R$ 5,745 na venda, maior patamar desde 30 de março (R$ 5,758).

*Com informações da Reuters 

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e