Governo dos EUA proíbe China Telecom de operar no país

Esta não é a primeira vez que a empresa é alvo de ações punitivas dos Estados Unidos

Os Estados Unidos impediram uma grande empresa estatal chinesa de telecomunicações de operar no país por questões de segurança nacional – uma ação que ameaça aumentar novamente as tensões entre as duas maiores economias do mundo.

A Comissão Federal de Comunicações dos EUA disse na terça-feira (26) que ordenou à China Telecom que descontinuasse os serviços dos EUA em 60 dias, citando descobertas de que a subsidiária americana da empresa “está sujeita à exploração, influência e controle do governo chinês”.

A empresa também tem “grande probabilidade de ser forçada a cumprir as solicitações do governo chinês sem procedimentos legais suficientes, sujeitos à supervisão judicial independente”.

A ação da FCC vem de uma longa disputa com a China Telecom, que opera nos Estados Unidos há quase duas décadas. A agência disse que deu à empresa uma oportunidade em dezembro passado de refutar as preocupações sobre sua presença nos Estados Unidos, mas que a China Telecom não fez isso.

Um porta-voz da subsidiária americana disse à Reuters que a decisão da FCC foi “decepcionante”.

“Planejamos buscar todas as opções disponíveis enquanto continuamos a servir nossos clientes”, disse o porta-voz.

A principal atividade da empresa está na China. Ela diz que tem cerca de 370 milhões de clientes móveis.

A China Telecom não divide seus clientes por região. Sua subsidiária americana foi incorporada em 2002, e a empresa afirma prestar serviços a empresas e transportadoras entre as Américas e a China.

Esta não é a primeira vez que a China Telecom é alvo de ações punitivas dos Estados Unidos.

Em janeiro, a Bolsa de Valores de Nova York anunciou que retiraria da lista três ações de telecomunicações chinesas – incluindo a China Telecom – para cumprir uma ordem executiva assinada pelo então presidente Donald Trump. A ordem proibiu os americanos de investirem em empresas que o governo dos EUA suspeita pertencerem ou serem controladas pelos militares chineses.

Desde então, a China Telecom parou de comercializar nos Estados Unidos. As ações listadas em Hong Kong caíram 0,7% na quarta-feira.

Nos últimos anos, os EUA têm como alvo outras grandes empresas chinesas com sanções. Trump em 2019 proibiu as empresas americanas de usar equipamentos de telecomunicações de fontes que a administração considera ameaças à segurança nacional – uma ordem que impactou diretamente a empresa chinesa Huawei, uma importante fornecedora global de equipamentos de telecomunicações.

A Huawei há muito diz que é uma empresa privada que opera independentemente do governo chinês, mas os Estados Unidos acusaram a empresa de representar uma ameaça à segurança nacional.

Embora o presidente Joe Biden tenha adotado um tom diferente com Pequim do que seu predecessor ousado e franco, as relações entre os Estados Unidos e a China não melhoraram significativamente.

Na verdade, as tensões aumentaram recentemente depois que Biden disse que os Estados Unidos estavam comprometidos em vir em defesa de Taiwan se a ilha autônoma estivesse sob ataque da China.

Os comentários pareciam contrastar com a política declarada dos Estados Unidos de “ambigüidade estratégica” em relação a Taiwan, embora a Casa Branca tenha afirmado que não houve mudança na política.

O Ministério das Relações Exteriores da China, porém, alertou horas depois dos comentários que os Estados Unidos não deveriam enviar “nenhum sinal errado às forças separatistas da independência de Taiwan”.

Embora o Partido Comunista Chinês nunca tenha governado Taiwan, Pequim considera a ilha uma “parte inseparável” de seu território e tem repetidamente ameaçado usar a força, se necessário, para impedir que a ilha declare formalmente a independência. CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e