Governo do Rio paralisa conversas com Supervia sobre tarifa dos trens

A situação afeta sobretudo moradores da zona oeste da capital e dos municípios da Baixada Fluminense, que se deslocam diariamente para trabalhar na região central da cidade do Rio de Janeiro

O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, anunciou na noite (7) a suspensão da negociação de novo reajuste tarifário para os trens operados pela concessionária Supervia. Segundo ele, a passagem permanecerá em R$ 5 até que os problemas na prestação do serviço sejam sanados. A decisão foi tomada em meio a uma crise decorrente das constantes paralisações. 

A situação afeta sobretudo moradores da zona oeste da capital e dos municípios da Baixada Fluminense, que se deslocam diariamente para trabalhar na região central da cidade do Rio de Janeiro.

Na quinta-feira (6), os usuários da Supervia enfrentaram um dia de caos, com 54 estações amanhecendo fechadas e dois ramais – Saracuruna e Belford Roxo – inoperantes. A normalização da circulação levou seis horas.

A Supervia justifica as paralisações pelos episódios recorrentes de roubos de cabos. Segundo a concessionária, ao longo de 2021, mais de 30 quilômetros de fios foram furtados. Nos dois primeiros meses de 2022, foram levados mais de 10 quilômetros, causando um prejuízo de R$ 440,2 mil e impactando 491 viagens. A Supervia registrou 220 ocorrências em janeiro e fevereiro, o que representaria um aumento de 268% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Força-tarefa

Essa reincidência do crime colocaria em questão a força-tarefa criada conjuntamente pelo governo e pela Supervia. A iniciativa, acordada em setembro do ano passado, buscava coibir a movimentação dos criminosos. Os 270 quilômetros de linhas passaram a ser vigiados por 200 policiais e drones também começaram a ser usados para patrulhar os trilhos.

Mas para o governo, só o roubo de cabos não explica os problemas na prestação do serviço. Cláudio Castro anunciou que será feita uma vistoria técnica e acusou a concessionária de mentir sobre as reais causas da situação. Também alegou que as ocorrências de furtos são registrados “em lote”, dificultando a investigação. 

“Uma série de falhas operacionais tem acontecido: falta manutenção, conservação, composição sem controle sobe na plataforma, viagens são interrompidas por queda na rede aérea, portas dos vagões não fecham e atrasos são rotina dos usuários. É inadmissível atribuir todas as questões a furtos de cabos. Os números divulgados pela concessionária não se sustentam. Se fosse real, não haveria mais trens em circulação”, afirmou ele.

O governador também disse ser preciso separar a segurança pública da segurança patrimonial, que é de responsabilidade da concessionária. Segundo ele, a Supervia foi alertada sobre o baixo efetivo de sua guarda patrimonial.

“Materiais de alto valor, muitas vezes, estão protegidos por um simples cadeado. A segurança pública não será utilizada como desculpa para problemas da concessionária”, acrescentou.

No entanto, ele descartou no momento realizar uma intervenção no serviço e considerou que esta medida, embora prevista em contrato, seria extrema.

Usuários

Nas redes sociais, usuários reclamam.

“Todo dia a Supervia humilha o morador de Duque de Caxias de uma forma diferente”, desabafou Thays Sant’Anna durante as últimas paralisações.

“Não adianta acordar ainda mais cedo para chegar no trabalho porque a Supervia sempre encontra um jeito de fazer o trem atrasar”, escreveu Amanda Abreu.

O descumprimento de obrigações contratuais como reformas, modernização de subestações e revitalização das vias já gerou uma multa à Supervia. A sanção, no valor de R$ 2,2 milhões, foi aplicada na terça-feira (5) pela Agência Reguladora de Transportes (Agetransp) pela falta dos investimentos previstos quando a concessão foi assinada em 2010.

Reajuste

Era em meio a todo esse cenário que a Supervia e o governo vinham negociando o reajuste tarifário. Em janeiro, a Agetransp chegou a homologar o aumento da passagem de R$ 5 para R$ 7. Posteriormente, o governo anunciou buscar uma repactuação, por considerar o novo valor muito alto e a mudança, prevista para fevereiro, acabou sendo suspensa.

No mês passado, a assessora-chefe no gabinete do governador, Priscila Sakalem, disse que não seria aceita uma tarifa acima de R$ 6 e que a correção deveria ser pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A declaração foi feita à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Trens, instalada em fevereiro pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) para investigar a precariedade do serviço e as razões das interrupções e atrasos de viagens, da superlotação e de outros problemas.

A Supervia foi procurada para comentar a saída do governo do Rio da negociação de novo reajuste tarifário para os trens operados pela concessionária e as declarações do governador Cláudio Castro, mas ainda não retornou.

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e