Fiocruz: Brasil terá alta de mortes por Covid-19 até agosto

"Na época do inverno, os vírus circulam mais intensamente, principalmente no sul e sudeste, que são as regiões mais populosas", diz especialista

Após o Brasil bater a marca de 400 mil mortes por Covid-19, o infectologista e pesquisador da Fiocruz, Julio Croda, avalia que a situação do país continuará sendo de alta de óbitos e casos pelos próximos três meses, até agosto, ao menos.

Numa entrevista à CNN nesta sexta-feira (30), ele disse que o período do inverno é mais propício para os vírus respiratórios:

“A gente vai viver ainda junho, julho e agosto complicados. Na época do inverno, os vírus circulam mais intensamente, principalmente no sul e sudeste, que são as regiões mais populosas.”

Para Croda, o esforço da vacinação só começará a ter reflexos no último trimestre de 2022. “Para atingir a imunidade de rebanho, precisa de 70% ou 80% da população vacinada. Estamos muito longe disso. Nesse ritmo, só teremos mudança mais significativa no ano que vem, em 2021 ainda teremos muito sofrimento.”

Quebra de patentes de vacinas

O Senado aprovou na quinta-feira (29) um projeto de lei que permite a quebra de patentes de vacinas contra o novo coronavírus. Para Croda, o PL – que ainda depende de aprovação da Câmara dos Deputados  e de sanção presidencial – não ajuda, se não houver transferência de tecnologia.

“Nosso principal problema não é a quebra da patente em si, é ter tecnologia para produzir essa vacina. A gente faz muito bem vacina de vírus inativado, mas se não temos capacidade tecnológica de produzir imunizantes que usam RNA, por exemplo, não adianta quebrar patente”, explicou.

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e