Exoneração em Mesquita: a única garantia de hoje

Concurso, sem curso, sem emprego, essa é o tema de hoje em Mesquita

Todos os servidores públicos têm a prerrogativa e o direito adquirido de estabilidade. No município de Mesquita, no Estado do Rio não. Funcionários públicos estão sendo exonerados sem que nada tivessem feito para perder o cargo.

De professores a merendeiras, todos temem que esta situação seja totalmente política, afinal, a prefeitura está apinhada de denúncias de desvios de verbas em setores delicados, como educação infantil e educação especial. A prefeitura alegou, uma única vez, que o professor de educação infantil, Marcos Cesar, demitido em agosto, conforme matérias publicadas em alguns veículos de comunicação do Rio, na segunda-feira (14), recebeu por uma função, o que não poderia, já que estava afastado por uma licença médica. Ele é da direção do Sindicato dos Profissionais de Educação (SEPE), núcleo Mesquita, além de conselheiro do Fundeb e do Mesquitaprev. Para ele, sua atuação foi o motivo para que o governo ordenasse sua saída. Desde 2017, segundo o professor, a prefeitura não repassa a parte patronal da categoria. Sem mais desculpas e sem nenhuma determinação. Simples assim.

Talvez por serem atuantes em setores delicados, como o Sepe Mesquita, Conselho Fiscal do Instituto de Previdência ou representante do Fundeb, todos sabem que são perseguidos, mal remunerados e, por fim, exonerados. Não podem ver os processos, não sabem de nada sobre o andamento deles. Mas sabem que são perseguidos. Outras exonerações estão a caminho, sabe-se lá até quando e quem será a próxima vítima.

Enquanto isso, e bem no meio de uma pandemia, o salário que não vem hoje é a cédula eleitoral que rasgará amanhã.

A prefeitura de Mesquita não respondeu, nem se defendeu. Nada de novo.

O professor de educação infantil demitido, Marcos Cesar.
Foto/ Crédito: Extra

Por

Jornalista, revisora e redatora. Tem 3 cachorros, 3 gatos fixos e mais um monte ao seu redor. Cuida para que eles não sejam abandonados pelas sarjetas. É editora-chefe das colunas que você lê aqui.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e