Esperma congelado é tão eficaz quanto recém-coletado para inseminação, diz estudo

Por ser uma metodologia relativamente recente, com diversas pesquisas em andamento, o prazo máximo de congelamento do esperma é considerado indeterminado

O congelamento do sêmen, também chamado de vitrificação, é uma técnica de preservação da fertilidade masculina. O procedimento pode ser indicado para pacientes submetidos ao tratamento de doenças como o câncer ou cirurgias que oferecem risco de lesão dos testículos.

Por ser uma metodologia relativamente recente, com diversas pesquisas em andamento, o prazo máximo de congelamento do esperma é considerado indeterminado. Um estudo realizado por pesquisadores dos Estados Unidos apontou que o sêmen congelado permanece tão eficaz quanto o material recém-coletado para tratamentos de inseminação.

Para chegar ao resultado, especialistas do Hospital Geral de Massachusetts e da Harvard Medical School analisaram 5.335 ciclos de inseminação intrauterina realizados entre 2004 e 2021 no serviço de saúde do hospital. Os dados foram apresentados nesta segunda-feira (4) na 38ª reunião anual da Sociedade Europeia de Reprodução Humana e Embriologia.

O estudo analisou uma série de resultados após tratamentos de fertilidade com esperma novo ou congelado, que incluiu um teste de gravidez positivo, gravidez clínica e taxa de aborto espontâneo. O estudo também verificou o tipo de estimulação ovariana dada ou não às mulheres antes do tratamento.

Os resultados apontaram taxas de gravidez clínica semelhantes entre as pacientes que usaram amostras recentes e congeladas.

Pequenas diferenças foram observadas em um subgrupo de pacientes com estimulação ovariana pré-tratamento com medicamentos orais (citrato de clomifeno ou letrozol). No entanto, quando a análise se limitou a um primeiro ciclo de tratamento, essas diferenças deixaram de ser evidentes segundo os pesquisadores.

Segundo o artigo, a única diferença mais significativa identificada foi um tempo até a gravidez ligeiramente maior no grupo que utilizou esperma congelado em comparação com o recente.

“Embora subgrupos específicos possam se beneficiar da utilização de esperma novo e o tempo de gravidez possa ser menor com esperma recente do que congelado, as pacientes devem ser aconselhadas sobre a não inferioridade do esperma congelado. Nenhum efeito prejudicial da criopreservação de esperma nos resultados da inseminação intrauterina foi observado”, afirmou Panagiotis Cherouveim, pesquisador do Hospital Geral de Massachusetts e de Harvard.

Preservação da fertilidade

A fertilização in vitro, criada há quase 45 anos, ainda é uma ferramenta disponível para quem apresenta uma dificuldade maior de gravidez natural.

“A amostra de esperma é preparada em laboratório e o médico, com uma pequena sonda, coloca o esperma dentro do útero da mulher, através do colo do útero. Os espermatozoides ‘nadam’ dentro do útero e vão até as trompas, onde vão encontrar os óvulos que foram produzidos e serão fertilizados”, explica Silvana Chedid Grieco, ginecologista do Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo.

O congelamento do esperma permite a preservação da fertilidade por homens que desejam adiar o momento de ter filhos ou que serão submetidos a tratamentos que podem prejudicar a formação dos espermatozoides, como terapias contra o câncer.

O material é passa pela triagem de infecções antes de ser utilizado, o que pode levar até seis meses. Com o objetivo de reduzir a preocupação de pacientes e de especialistas sobre a viabilidade dos espermatozoides congelados, pesquisas em andamento avaliam a motilidade, estrutura e conteúdo de DNA.

A médica ginecologista Natália Ramos Seixas, da clínica de saúde feminina Oya Care, explica que o congelamento de óvulos, método utilizado por mulheres que desejam adiar a maternidade, é seguro e eficaz e deixou de ser considerado experimental.

“Os estudos trazem de evidência científica que por dez anos esses óvulos se mantêm saudáveis mas, na prática, eles se mantêm saudáveis ‘ad aeternum’. Congelamento é uma técnica antiga, usada no início. Hoje, chamamos de vitrificação de óvulos, um congelamento rápido. Os estudos vão sair ao longo das próximas décadas, mas com a prática clínica estamos percebendo que esses óvulos não envelhecem”, afirma Natália.

Segundo a especialista, além de permitir a postergação da maternidade, o procedimento reduz os riscos de doenças genéticas. CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e