Equipe econômica não vê espaço para auxílio de R$ 600 no orçamento 2023

O presidente Jair Bolsonaro (PL) transformou em promessa de campanha tornar permanente o benefício em R$ 600

O texto que será encaminhado ao Congresso Nacional tem de ser finalizado até o final de agosto. Mas não há, por ora, como financiar um acréscimo dessa magnitude no benefício, de acordo com integrantes do governo a par das discussões.

O presidente Jair Bolsonaro (PL) transformou em promessa de campanha tornar permanente o benefício em R$ 600. Por isso, o time do Ministério da Economia trabalha com dois cenários: prever na peça orçamentária um Auxílio de R$ 400 e vincular o reajuste para R$ 600 à aprovação de uma reforma no imposto de renda.

Trata-se do resgate de uma proposta antiga do ministro da Economia, Paulo Guedes. Ele chegou a propor a criação de um imposto sobre lucros e dividendos para financiar justamente o aumento no programa social.

Em debate, está o anúncio de algo nestes moldes. Ou seja, se reeleito, Bolsonaro apoiaria a proposta de reforma como uma maneira de viabilizar o Auxílio Brasil turbinado de forma permanente.

A proposta de Orçamento para 2023 deve trazer a previsão de reajuste para os servidores. A ideia que está sendo discutida é prever a correção dos salários dos funcionários públicos pela inflação esperada para o próximo ano, ao redor de 6%. CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e