Entrevista: Saxofonista Ademir Junior lança CD em Brasília

Saxofonista Ademir júnior lança CD com ritmos nordestinos em homenagem à cultura, música e povo nordestino

Filho de músico, saxofonista, compositor, autodidata, maestro, educador, mestre na improvisação, Músico da Banda do Corpo de Bombeiros de Brasília e primeiro brasileiro de jazz com nome em uma das maiores marcas de saxofones do mundo, Selmer Paris, e em acessórios e boquilhas, da marca Vandoren é considerado um gênio musical em meio a artistas. Nesta entrevista ao O Estado RJ, ele conta um pouco do novo CD e projetos.

O Estado RJ: Como aconteceu o início do gosto pela música?

Ademir Júnior: Sou filho de músico, meu pai tocava clarineta e foi ele quem me ensinou e me iniciou na música. Comecei a pegar aula com ele aos sete anos e aos 10 anos eu entrei na banda do Sesi que era uma banda de alunos e foi onde realmente eu comecei a estudar clarineta. Durante os dois primeiros anos que eu estudei me dediquei tanto à clarineta que chegava a estudar de oito a dez horas por dia e foi o período em que eu conquistei a técnica de velocidade do instrumento.

OERJ: Como iniciou a carreira com o Saxofone?

Ademir Júnior: Eu estudei clarineta até os 17 anos. E aos 18 anos eu tive uma aula de harmonia com o Lula Galvão que é um guitarrista de Brasília e mora no Rio e também fiz uns cursos com o Ian Guest professor de harmonia muito conhecido no Brasil. Neste período eu comecei a estudar saxofone e foi ai que o mundo e as portas se abriram, pois teve muito mais amplitude meu trabalho com o sax do que com a clarineta. Mas não deixei a clarineta.

OERJ: Como tem sido a dedicação ao trabalho de saxofonista?

Ademir Júnior: Aos 20 anos eu entrei para a banda dos bombeiros onde estou até hoje, há 19 anos, e neste período eu tenho dedicado o meu trabalho em composições, improvisação e CDs. De lá para cá eu gravei cinco CDs. O “Gratidão” em 2002, “ Vitória na Cruz” em 2007, “Brasilidades” em 2009 e “ Camaleão I” em 2013 e o Segundo da Série Camaleão “ Sensações” com ênfase em ritmos nordestinos, 2015.

OERJ: Fala um pouco sobre o Segundo CD da Série Camaleão“ Sensações”.

Ademir Júnior: Esse CD foi idealizado numa oportunidade de projeto que tem em Brasília da Secretaria de Cultura do Distrito Federal que se chama FAC ( Fundo de Apoio à Cultura) eu fiz a inscrição e fui um dos vencedores do prêmio Cássia Eller, a verba saiu este ano (2015) e nós começamos o projeto. A ideia central do CD é homenagear ritmos nordestinos que na verdade remete as minhas raízes, por eu ser filho de dois cearenses da cidade de Itapagé, no Ceará. Uma cidade de ricas culturas. Mas eu acho que tinha essa dívida cultural com as minhas raízes e o CD foi uma forma de homenagear, tanto a cultura, quanto a música e o povo nordestino.

OERJ: De onde veio inspiração para compor 10 músicas do CD?

Ademir Júnior: Para um músico improvisador, não é difícil se inspirar por que ficamos inspirados o tempo inteiro. Pela quantidade de informações que absorvemos, ouvindo músicas, tocando, então não é muito complicado criar ideias. Na verdade, criar ou compor músicas é juntar partes, hoje você vai se inspirando, juntando com ritmos, harmonia, melodias e vai elaborando essa engenharia musical.

OERJ: Como era participar do Grupo Solo Brasil?

Ademir Júnior: O grupo Solo Brasil tinha o intuito de levar a música brasileira para fora do país e mostrar os diversos repertórios da música brasileira. Nós fizemos cerca de 70 shows fora do país e viajamos 16 países para levar nossa cultura.

OERJ: Quais foram seus projetos nestes anos?

Ademir Júnior: Em 2005, criei um curso de improvisação em Brasília que era um curso que não existia muito no Brasil. Hoje já existe mais. E de lá para cá este curso de improvisação eu leciono em todo o Brasil. Neste período eu tenho me dedicado tanto na área de educação, como educador que é de cursos de improvisação e de Maestro Big Band e me especializando na área como solista, como músico mesmo.

OERJ: Fale um pouco das participações artísticas e da Orquestra JK

Ademir Júnior: Eu me apresentei e gravei shows com vários artistas como: Toninho Horta, Johnny Alf, Alexandre Pires, Artur Maia, João Donato, Rosa Passos, Gunga, Hamilton de Holanda entre outros. Mas o meu foco mesmo nestes últimos tempos tem sido as composições, arranjos e a Orquestra Jk criada em 2010 que é uma Big Band formada com 17 músicos e de lá pra cá nós temos feito apresentações tanto em Brasília quanto fora de Brasília. A Orquestra Jk possui músicos da Banda da Polícia, dos Bombeiros, da Orquestra Sinfônica, da Escola de Música e músicos autônomos e até músicos da Polícia Civil. Ela é uma seleção de músicos de Brasília.

OERJ: Como foi o primeiro contato com a música e o aprendizado autodidata?

Ademir Júnior: Foi natural. Porque sempre tive a admiração em ver meu pai estudando o repertório que ele tinha que tocar todo dia em casa. Tanto na Banda Sinfônica de Brasília quanto na Banda da Polícia e essa admiração foi na verdade a grande motivação para estudar música. Dois músicos me inspiraram a para aprender saxofone. Um foi um saxofonista americano chamado Michael Brecker e o outro foi o saxofonista também de Brasília que mora no Rio chamado Widor Santiago. Na época em Brasília não existia uma escola de jazz e o saxofone aqui não tinha muitos músicos especializados então eu peguei o saxofone que tem uma técnica parecida com a clarineta (em termos é mais simples do que a técnica da clarineta) e com essa associação eu comecei a estudar o sax, claro, que pesquisando sons, timbres e tirando muitos solos dos jazz americanos e foi ai que criei essa forma de estudar sem ter o professor. Não foi por que eu não quis ter professor, e sim, por que não tinha alguém especializado em jazz para ensinar.

OERJ: Como é assinar com a marca de um Saxofone e Acessórios e Boquilhas?

Ademir Júnior: A Selmer é a marca de maior renome internacional do saxofone, ela até tem a patente original do saxofone criado por Adolphe Sax. Eu fui convidado pela Selmer a ir à França e fazer um concerto e depois do concerto eles me ofereceram essa oportunidade de ser Artista Endorse da marca Selmer. Para mim foi uma honra muito grande e também por saber que no Brasil não tinha nenhum músico ainda de jazz brasileiro que tivesse assinado com essa marca francesa. Um dia depois a Vandoren me convidou porque sabia que eu estava lá justamente com meu amigo Carlos Gontijo que foi quem me levou pra lá e eles comentaram sobre o show e disseram que não podíamos sair da França sem assinar com a Vandoren. Então nos ofereceu para que fossemos também artista da marca Vandoren, que é uma marca  de excelência tanto para boquilhas, quanto de palhetas e outros acessórios para instrumentos de sopro.

OERJ: Como está o cenário para o músico instrumental?

Ademir Júnior: Com esses conflitos de economia que temos hoje no país, eu vejo particularmente como uma grande oportunidade para a música ser um diferencial neste momento. E a música instrumental ela sempre foi forte, mas em determinados momentos ela não teve tanta atenção da mídia, ou atenção do público. Eu acho que chegou o momento cultural de mostrar que a música instrumental também é uma voz. Nós não podemos depender somente da voz dos artistas que cantam para levantar a bandeira da música brasileira. A música instrumental também é uma bandeira e ela deve ter o seu lugar no país e aos ouvidos do povo. Nós músicos instrumentistas somos formadores de públicos. A música instrumental também é uma voz. Às vezes não precisa de palavras, ela é feita de vibrações que falam.

OERJ: Ademir Júnior por Ademir Júnior?

Ademir Júnior: Primeiramente Amor à vida que foi o que eu recebi dos meus pais. Aprendi a amar à vida e a música também vem junto porque é vida. Acho que esse é o maior resumo da minha trajetória nesse planeta. Amar à vida e expressar isso por meio da música.

Para quem quiser conferir, o show será dia 15 de agosto 2015 no Clube do Choro de Brasília  – Setor de Divulgação, Bloco G – Eixo Monumental, às 21h.

Ingressos: R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia-entrada)

Informações: (61) 3224-0599 ou pelos sites: www.clubedochoro.com.br e www.ademirjunior.com

Assista o vídeo

Por

Webjornal O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e