Em 2022, teremos dois carnavais novamente

O adiamento dos desfiles das escolas de samba de fevereiro para abril, pode repetir na cidade um fato já ocorrido em 1912: a realização de dois carnavais

Em 2022 estávamos ameaçados pelo segundo ano consecutivo de não ver realizada a maior festa popular do país. Desde o fim do ano passado havia uma forte pressão de alguns grupos sociais pelo cancelamento do Carnaval, motivados por questões políticas e religiosas.

Salvador e Recife, que estão entre os maiores carnavais do país, confirmaram as expectativas e cancelaram a folia. Entretanto, as duas principais cidades brasileiras, São Paulo e Rio de Janeiro, optaram pela transferência dos desfiles das escolas de samba para abril, num feriado prolongado entre os dias 20 e 24.

Embora os governos tenham cancelado os blocos de rua e qualquer apoio oficial para estes eventos públicos como normalmente acontece, as movimentações de redes sociais e mobilizações populares já anunciam a realização de festas de bairros, em clubes, bares e salões, na data original em fevereiro.

Isto se deve principalmente porque, apesar de terem adiado o carnaval oficial para abril, essas cidades mantiveram o feriado e os dias de ponto facultativo em fevereiro. As próprias escolas de samba do Rio já programaram uma grande festa, nesses dias, na Cidade do Samba, com venda de ingressos e direito a shows e um mini desfile.
Por outro lado, alguns blocos que arrastam multidões vão realizar eventos em locais fechados.

Ou seja, para quem esperava uma total ausência da folia em 2022, a previsão, na verdade, é o acontecimento de dois carnavais, um não oficial em fevereiro e o oficial em abril. Outra constatação que veio à tona, comentário geral no mundo do samba, é que o adiamento dos desfiles nada teve a ver com a pandemia e essa nova variante do vírus. O que houve é que uma soma de fatores afetou economicamente a festa.

Várias empresas exitaram em fechar patrocínio antecipadamente, devido às incertezas. Inclusive a emissora de televisão detentora dos direitos de transmissão teve dificuldade em vender as cotas de anunciantes. Os ingressos estavam com baixa procura, perigando ter uma avenida de arquibancadas vazias.

O adiamento acabou sendo providencial para todos. Até mesmo para as agremiações, pois muitas estavam com os trabalhos de confecção de alegorias e fantasias atrasados e enfrentavam dificuldades de mobilizar componentes para o desfile.

Agora todos tem um tempo maior para se prepararem. A própria TV já anunciou seu esquema de programação para fevereiro e abril, o que significa que a questão comercial está resolvida.

Enfim, parece que em 2022 teremos a repetição do ocorrido em 1912, quando também tivemos dois carnavais. Naquele ano, o Barão do Rio Branco, considerado um herói nacional, morreu em fevereiro, às vésperas do reinado de Momo. O governo decretou luto e adiou a folia para abril.

O que se viu foi o povo fantasiado e brincando nas ruas em fevereiro, ignorando o decreto. Em abril, no Carnaval oficial adiado, todos foram para a rua novamente e o deboche popular eternizou uma marchinha satírica ao presidente da República, Marechal Hermes da Fonseca: “Com a morte do Barão / tivemos dois carnavá/ ai que bom / ai que gostoso/ se morresse o Marechá “.

Por

amilton.cordeiro@oestadorj.com.br

Jornalista, pesquisador de samba e compositor.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e