Dos palcos para as telonas

Tem algum tempo que produções de cinema estão ganhando versões para o teatro, como foi o caso de ‘A Família Addams’, que inclusive teve uma versão da peça feita para os palcos brasileiros. Por conta disso, acharam que o inverso também valia ser feito.

No entanto, o contrário é um pouco mais complexo que adaptar um roteiro de teatro para o cinema, porque ao formatar para o teatro, em geral, precisa resumir o texto. Já quando um roteiro de teatro é adaptado para o cinema, geralmente vão precisar de cenas extras para compor uma narrativa coerente e é aí que surgem os problemas.

Dois ótimo exemplos da dificuldade de adaptar do teatro para o cinema são os recentemente lançados ‘Minha Mãe é uma Peça 3’ e ‘Cats’.

Sucesso do teatro, a franquia iniciada com o filme baseado em ‘Minha Mãe é uma Peça’, um monólogo que ganhou uma adaptação cinematográfica em 2013, que em seu terceiro filme conclui a história de Dona Hermínia, possui ótimos filmes com roteiros bem escritos e amarrados, os quais mesmo com o texto da peça ampliado, funcionou bem no cinema.

O sucesso de ‘Minha Mãe é uma Peça: O Filme’ foi tanto que, além de ir para o exterior, onde é mais conhecido pelo nome em inglês ‘My Mom Is A Character’, o filme ganhou duas sequências, sendo a terceira lançada em dezembro passado, a qual ainda está em cartaz.

Com direção de André Pellenz e escritor pelo ator Paulo Gustavo, estrela da franquia, junto do roteirista Fil Braz, ‘Minha Mãe é uma Peça: O Filme’ foi sucesso de público e crítica, assim como suas sequências. Por isso, o público imagina que se uma peça do Brasil, que não possui uma indústria cinematográfica consolidada como a dos Estados Unidos, pode fazer tamanho sucesso, uma produção teatral americana seria sucesso garantido. Porém ‘Cats’ , um famoso musical da Broadway, conseguiu provar que não é bem assim, deixando evidente o quanto é complicado adaptar peças para o cinema que o contrário. Mesmo que seja um estrondoso sucesso nos palcos, isso não garante o sucesso nas telonas.

Também lançado nos cinemas em dezembro de 2019, o filme ‘Cats’ não agradou nem crítica, tampouco público, já que a maioria concorda que além dos bizarros efeitos visuais dos atores transformados em gatos humanóides, ter uma sequência de músicas sem uma narrativa coerente pode funcionar no teatro, mas no cinema não consegue agradar nem quem gosta de musicais.

Tanto a franquia ‘Minha Mãe é uma Peça’ como ‘Cats’ são perfeitos para mostrar o quanto um roteiro bem escrito faz diferença. Não adianta um grande orçamento, com efeitos especiais e marketing pesado se não há uma boa narrativa. Bem, porque a crítica pode não perdoar efeitos digitais mal acabados, mas o público até releva quando a história é boa.

Por

Ex-repórter redatora da editoria de Cultura do webjornal O Estado RJ, atualmente colunista (Curtindo Adoidado).

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e