Dólar vai a R$ 4,81 com China no radar

A inflação maior que o esperado pode fazer com que o Banco Central aumente a taxa de juros acima do sinalizado, prejudicando setores mais sensíveis, como varejo e viagens

O Ibovespa terminou o pregão em alta de 0,21%, aos 110.580,79 pontos, em uma sessão marcada pela volatilidade, enquanto o mercado digeriu o Índice de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15) de maio. Esse foi o maior patamar desde 25 de abril, quando bateu 110.685 pontos.

O que também deixou o principal índice da B3 instável foram as ações da Petrobras, após o anúncio de troca na presidência, e as empresas ligadas ao minério de ferro, que fecharam em queda na China.

Já o dólar fechou em leve alta de 0,11%, cotado a R$ 4,813, nesta terça-feira (24). O anúncio de novas restrições na capital chinesa contra a Covid-19 aumentou a aversão a riscos, beneficiando a moeda.

Nesta sessão, o Banco Central realizou leilão de até 15 mil contratos de swap cambial tradicional para fins de rolagem do vencimento de 1° de julho de 2022. A operação do BC pode ajudar a dar liquidez na moeda, mas especialistas apontam que o órgão poderia atuar mais para conter a volatilidade do câmbio.

Na segunda-feira (23), o dólar caiu 1,31%, a R$ 4,807. Já o Ibovespa subiu 1,71%, aos 110.345,82 pontos, na maior alta percentual desde 18 de março, quando subiu 1,98%, e no maior patamar desde 26 de abril.

Petrobras

No radar do mercado desta terça-feira estavam os desdobramentos de mais uma troca na presidência da Petrobras. O novo nome, entretanto, é visto por investidores como alguém que não deve intervir na política de preços da estatal, mas a instabilidade no comando, com alta rotatividade, afasta investidores. As ações da estatal caíram mais de 4%.

O Ministério de Minas e Energia (MME) informou que o nome indicado para assumir o cargo é o de Caio Mário Paes de Andrade, da Secretária Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, onde é responsável pela plataforma gov.br.

Ainda segundo o Ministério, “o indicado reúne todos as qualificações para liderar a companhia e superar os desafios que a presente conjuntura impõe, incrementando o seu capital reputacional, promovendo o continuo aprimoramento administrativo e o crescente desempenho da empresa, sem descuidar das responsabilidades de governança, ambiental e, especialmente, social da Petrobras.”

Caio Mário Paes de Andrade é formado em Comunicação Social pela Universidade Paulista, pós-graduado em Administração e Gestão pela Harvard University e Mestre em Administração de Empresas pela Duke University. Caio Paes de Andrade foi presidente do Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados) até agosto de 2020

IPCA

O IPCA-15, considerado a prévia da inflação, teve desaceleração em relação a abril, mas veio acima do esperado pelo mercado, indicando um processo inflacionário mais persistente. A inflação maior que o esperado pode fazer com que o Banco Central aumente a taxa de juros acima do sinalizado, prejudicando setores mais sensíveis, como varejo e viagens.

Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa, afirma que o índice “surpreendeu muito a nós e ao mercado”.

“Os núcleos mostraram-se muitos mais pressionados do que antevíamos, denotando uma péssima dinâmica inflacionária, o que preliminarmente deverá impulsionar nossa perspectiva para o IPCA do ano, ainda em 8,2%, para cima”, diz.

Pessimismo global

O instigador mais recente da aversão global a riscos foi a alta de juros nos Estados Unidos, anunciada pelo Federal Reserve em 4 de maio. Apesar de descartar altas de 0,75 p.p. ou um risco de recessão, a autarquia sinalizou ao menos mais duas altas de 0,5 p.p.

Os juros maiores nos Estados Unidos atraem investimentos para a renda fixa do país devido a sua alta segurança, mas prejudica as bolsas ao redor do mundo, inclusive as norte-americanas.

Junto com uma série de elevações de juros pelo mundo, os lockdowns na China para tentar conter a Covid-19 aumentaram as projeções de uma forte desaceleração econômica, e até risco de uma recessão global, prejudicando os mercados e aumentando a aversão a riscos de investidores.

Entretanto, com a perspectiva de que essas restrições possam ser retiradas em junho, a expectativa é que a demanda chinesa retorne aos níveis anteriores, o que voltaria a favorecer exportadores de commodities e alivia uma parte das pressões sobre o real. CNN/Reuters

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e