Dólar sobe a R$ 5,42

Com isto, a divisa norte-americana avançou 0,88%, a R$ 5,4231. É a maior cotação do dólar desde 4 de maio

O dólafechou em alta ante o real nesta quinta-feira (19) enquanto os investidores repercutem sinalização do Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA) de que deve começar a retirar estímulos monetários ainda em 2021.

Com isto, a divisa norte-americana avançou 0,88%, a R$ 5,4231. É a maior cotação do dólar desde 4 de maio. 

Na B3, o Ibovespa acompanhou recuperação de Wall Street e fechou em alta de 0,45%, aos 117.164 pontos.

A recuperação da Bolsa aconteceu apesar da pressão de ações ligadas ao minério de ferro, que caiu 4,6% nesta quinta. CSN (CSNA3) caiu 5,78%, Vale (VALE3) recuou 5,71%, Usiminas (USIM5) 5,69% e Gerdau (GGBR4) teve queda de 3,5%. 

Internamente, além da reforma tributária, a percepção de risco que atrapalha o real é motivada também por questões como os precatórios, a crise hídrica e a agenda política do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que inclui questionar o sistema eleitoral e atacar o poder Judiciário.

Lá fora, o mau humor é em parte explicado pelo Fed. Nesta quarta-feira (18), o BC americano revelou em ata de política monetária que discutiu em julho a possibilidade de iniciar o chamado “tapering”, como é conhecido o processo de gradual diminuição de compras de ativos, ainda em 2021.

Além disso, a rápida disseminação da delta e outras variantes do coronavírus também prejudica o apetite por risco. Na ata, o Fed ressaltou que esse fator reforça as incertezas sobre o cenário econômico global.

CNN com Reuters

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e