DNA cultural: A falta que isso faz

Olá pessoal! Estou de volta para falar sobre cultura. Isso mesmo, um assunto pouco comentado por todos nós, é verdade, mas nunca é tarde para consertarmos um erro. Erro esse que vem de longe, e sei que muitos podem atribuir vários fatores a esse descaso. E quem pensa logo na política como alavanca para uma cultura pouco difundida e alastrada pela população não deixa de ter razão. Penso que vários fatores levam ao mesmo ponto, só que a política está vidente há vários anos nesse processo.

Vivemos alguns processos políticos ao longo das últimas décadas e em todos eles o comprometimento do governo com uma política cultural de massa foi deixado de lado como se não fosse algo que eleva e determina a qualidade de um povo. Alguns projetos mal acabados de investimentos e incentivos ficaram no meio do caminho e nada mais. Incentivos fiscais que favoreceram alguns em detrimento de outros. O novo não teve vez nesse processo e, quando houve oportunidade, talvez tenha faltado critério na avaliação. Vivemos num país que tenta respirar e ajustar economia, saúde e até segurança e nada de concreto na cultura. Esse é meu ponto de vista. Um país continental como o nosso, tem a obrigação de preservar sua cultura e expandi-la a todo seu povo. O direito é de todos.

Conhecer nossa história é fundamental para uma evolução. Nossa história contada de forma correta e não política fará a diferença. Mais de 550 anos de história de um povo que ao longo desses cinco séculos e meio soube viver e esperar seu momento das mais variadas formas possíveis. Sofrimento e esperança traduzem nosso DNA. E ainda hoje, vivemos num mundo de poucas oportunidades e, mesmo assim, o brasileiro não desiste nunca, parece e é frase de caminhão, mas é a mais pura realidade. A vida por si só já o coloca em evidência e apreensão de sobrevivência num mundo desigual.

Onde está a cultura nesse contexto? Bem, está no momento em que somos valorizados como indivíduo e temos nossa história respeitada por todos e principalmente por quem nos governa. Deveria ser ato indiscutível o poder do conhecimento cultural geral. O conhecimento faz de uma nação sua maior arma de conscientização. A humanização também origina-se do poder cultural. O saber e entender os questionamentos que nos cercam nos faz crescer como pessoas e nos elevam a “outro patamar” (palavra da moda) sem com isso necessariamente nos tirar a humildade.

Precisamos urgentemente gritar por cultura, fazer acontecer. Depende de nós, brasileiros, determinar a importância de necessidades. Engana-se quem acredita que um povo aculturado é povo alienado, sim, pois a certeza de que esse mesmo povo só está esperando um momento para dar o start e começar a mudar tudo é um fato incontestável. Sonho em um dia que independente de camadas sociais, todos os brasileiros terão os mesmos conhecimentos e finalmente e principalmente, termos uma distância social praticamente nula. É meu sonho e tenho certeza que é o seu também.

Semana que vem continuamos com esse assunto que tem muita coisa a ser falada. Até lá.

Por

Jornalista e comentarista esportivo. Moro em Niterói há 22 anos. Fã de cultura e esportes. Ex-editor em jornais na cidade do Rio de Janeiro. Atualmente me dedico à interatividade cultural. Acredito na importância da divulgação por todos os meios da cultura nesse país.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e