Disputas de samba entram na reta final

Seguindo uma tendência recente, os concursos para escolha dos sambas enredos estão se tornando mais curtos. Disputas que antes se arrastavam por até quatro meses, agora estão durando no máximo 50 dias.

Algumas escolas de samba, como Portela, Mangueira e Salgueiro, ainda não iniciaram o processo e farão a escolha em apenas um mês. De acordo com o calendário da Liga das Escolas de Samba do Rio de Janeiro – Liesa – todos os sambas devem estar prontos para entrar em estúdio de gravação na primeira quinzena de outubro.

Este encurtamento das disputas se deve principalmente à crise econômica que afeta o carnaval. As escolas de samba estão diminuindo os custos, tanto delas com a infraestrutura do evento, como para os compositores concorrentes.

Nas diversas quadras, tanto do grupo especial como no acesso, as apresentações afunilam e vão revelando favoritos. Destaque para Grande Rio, Viradouro e Mocidade, com safras de grandes sambas concorrentes, o que faz o resultado ainda imprevisível para se apontar vencedores, diante do alto nível do concurso. É esperar o dia da final para aguardar o resultado.

Na Beija Flor, o equilíbrio não se dá nem tanto pela safra, que é mediana, mas sim por que os sambas se equivalem. Nenhum se destaca. Todos têm pontos fortes e fracos e vai depender do que a diretoria quer para o desfile da azul e branca, que precisa apagar a má impressão do carnaval passado.

Na São Clemente, chama atenção a aposta da escola na tradição de irreverência, de enredos críticos e bem humorados. Os compositores souberam captar o espírito do tema “O conto do vigário”, que aborda esse jeitinho brasileiro de forjar trapaças, tramoias e golpes. Até o consagrado humorista Marcelo Adnet se empolgou e está participando da disputa.

No grupo de acesso, Império Serrano, Império da Tijuca, Unidos de Padre Miguel e Acadêmicos do Cubango também estão em fase final dos concursos. Por sinal, as quatro contam com excelentes sambas concorrentes e destoaram da maioria das coirmãs do grupo, que optaram por abolir as disputas e encomendaram seus hinos, o que prova que nem sempre encomenda é garantia de uma grande obra.

No grupo especial, quem abre o calendário de finais de escolha de samba será a Mocidade Independente, no dia 21 de setembro. A Mangueira encerra o período de escolhas de samba enredo, dia 12 de outubro.

Por

Jornalista, pesquisador de samba e compositor.

Comentários estão fechados.