Desfiliação de Maia do DEM aumenta debandada do partido, que estuda retomada

Maia justificou sua saída à Justiça Eleitoral alegando grave discriminação política pessoal contra ele no partido

O ex-presidente da Câmara dos Deputados Rodrigo Maia (RJ) oficializou nesta sexta-feira (14) sua desfiliação do Democratas (DEM), adicionando nova baixa ao partido. Nesta sexta, o vice-governador de São Paulo, Rodrigo Garcia, também deixou o DEM. Garcia se filiou ao PSDB, do titular João Doria.

Outra baixa programada para acontecer é a de Eduardo Paes. O prefeito do Rio de Janeiro ainda não saiu oficialmente do partido, mas vai para o PSD. Com as novas baixas, o Democratas estuda retomada.

Maia justificou sua saída à Justiça Eleitoral alegando grave discriminação política pessoal contra ele no partido, citando que houve traição na disputa para a Presidência da Câmara dos Deputados, quando o DEM não apoiou seu candidato, Baleia Rossi (MDB-SP), e se alinhou a Arthur Lira (PP-AL). No documento. Maia disse que o Democratas o traiu quando passou a se alinhar com Bolsonaro e Lira.

As saídas do partido envolveram o presidente nacional do Democratas, ACM Neto, que foi ao Twitter criticar as decisões de Rodrigo Garcia e Rodrigo Maia, dizendo terem sido motivadas por pressão do governador de São Paulo, João Doria (PSDB).

O ex-presidente da Câmara se envolveu na discussão respondendo à mensagem de ACM Neto, chamando-o de oportunista e dizendo que o ex-prefeito de Salvador nunca se alinharia a Doria.

Quem também se envolveu na discussão foi o secretário de Desenvolvimento Regional de São Paulo, Marco Vinholi, presidente do PSDB em São Paulo que acusou ACM Neto de se “bolsonarizar”.

Saídas para o Democratas

Apesar da debandada, ACM Neto disse que o problema não é nacional e que vai trabalhar para resolver os “problemas pontuais”. 

“Em São Paulo temos essa imposição criada pelo Doria. Vamos assistir isso achando bonito? Nós temos opções. Vou conversar com o pessoal do DEM em São Paulo e ajustaremos o caminho,” disse ACM Neto, que nos bastidores discute tentar trazer o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin para o DEM, desfalcando o PSDB.

Caso o cortejo por Alckmin não dê certo, o partido não descarta compor regionalmente com Rodrigo Garcia caso ele saia para tentar se eleger governador de São Paulo

No Rio de Janeiro, o movimento é para tentar trazer o atual governador do estado, Cláudio Castro (PSC), para o Democratas. ACM Neto diz que o acerto com Castro depende da confirmação da saída oficial de Paes do partido, que espera que aconteça neste final de semana. CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e