Desembargador alvo de operação contra Witzel é afastado após denúncia do MPF

Na última sexta-feira (28), agentes da PF cumpriram mandado de busca e apreensão no gabinete do desembargador Marcos Pinto da Cruz

O desembargador Marcos Pinto da Cruz, do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região (TRT/RJ), foi afastado das funções após ser acusado pelo Ministério Público Federal de fazer parte do esquema de desvio de verbas do governo fluminense.

A decisão proferida pelo presidente do TRT foi publicada nesta segunda-feira (8), no Diário Eletrônico da Justiça do Trabalho. De acordo com o inquérito do MPF, que culminou com a operação Tris In Idem, Pinto da Cruz cooptou o governador do Rio, Wilson Witzel, e o presidente do PSC, Pastor Everaldo, para atuarem num esquema de desvio de verbas em troca de propina.

Na última sexta-feira (28), agentes da Polícia Federal cumpriram mandado de busca e apreensão no gabinete do desembargador Marcos Pinto da Cruz, que fica no prédio-sede do TRT/RJ, no Centro do Rio. As relações entre o desembargador e Witzel foram relatadas pelo ex-secretário de Saúde, Edmar Santos, que firmou delação premiada com a PGR.

As acusações constam na denúncia protocolada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) contra Witzel por corrupção e lavagem de dinheiro. O governador foi afastado do cargo na semana passada, por 180 dias. A mesma investigação prendeu Pastor Everaldo, acusado de instituir uma ‘caixinha’ de propinas dentro do governo estadual. Outras 13 pessoas que, segundo a denúncia, fazem parte do esquema também forma presas. CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e