De Schopenhauer a Márquez, uma inspiração para a vida

Na semana que temos a Flip 2019 me deparo com uma triste constatação, estamos lendo menos. De 10 a 14 de julho em Paraty acontece a 17ª Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP) com várias atrações e debates sobre temas relevantes da sociedade contemporânea. E nós aqui no país tupiniquim esquecemos que quanto mais lemos mais consciente ficamos e a mente absorve conteúdos que nos farão viajar e entender o mundo que vivemos.

Mas enfim, o que fazer para retornarmos ao hábito, pois como diz o ditado popular: o hábito faz o monge. Onde foi que erramos ao não impulsionar de forma clara e objetiva o hábito da leitura nas novas gerações? Aí você vai me falar que hoje em dia se lê muito mais que tempos atrás. É verdade, mas que tipo de leitura? Leituras oriundas do computador? Textos compactados de redes sociais? Bem, não é disso que estou falando e não é isso que faz uma pessoa conhecer e entender o mundo de forma permanente.

A poesia me dá base para que eu leve a vida de uma forma suave e real de lidar com ela. Engraçado falar de poesia num mundo onde o amor dá sinais claros de morte pelos sentimentos alheios. Brigas, guerras e banalidade são sinônimos de falta de amor. Nos grandes romances literários, o amor é a peça fundamental a ser conquistada, nem sempre de forma tranquila e natural, mas com muita luta e conquista.

Assim é a vida, estamos sempre lutando por algo que muitas vezes nem temos a certeza de que iremos conquistar ao final da longa e árdua jornada. O importante é acreditar sempre, conhecer o que o cerca e com isso atingir seus objetivos ao longo do tempo. Criar mecanismos capazes de lhe oferecer ferramentas que na hora certa saberá usá-las.

Quantos livros lemos ao longo de nossas vidas? Não temos um número específico, mas sim a vontade de evoluir através das palavras. Essa vontade pode nos levar a qualquer lugar em segundos e nos mostrar como é bela a cognição.

Seja você é um simpatizante de história, sociologia, filosofia, matemática ou mesmo romance saiba que nas páginas escritas por escritores de todos os tempos você irá encontrar o que procura, sonhos ou verdades. O caminho para a liberdade. A senha para a felicidade. O conhecimento da humanidade.

A leitura que nos alimenta também pode vir de um livro de receitas culinárias e até mesmo de auto ajuda, pois o que importa é a necessidade que impulsiona a buscar, o conhecimento. Seja ele qual for sempre estará ligado a você de alguma forma. A busca pelo conhecimento do homem nos faz interagir com os livros sempre. Nosso cérebro está ávido de compreensão e nos faz questionar, pensar, viver em busca de algo que nem sempre saberemos o que realmente é. Mas ler é muito gostoso, poder dissecar um livro e depois buscar outro e outro…

Machado de Assis, Carlos Drummond, Guimarâes Rosa, Jorge Amado, Clarice Lispector, Liev Tolstói, Fernando Pessoa, Franz Kafka, Arthur Schopenhauer são alguns escritores que devem ser lidos durante nossa vida. Deixei esses dois separados pelo simples fato de serem os melhores para mim,  José Saramago e Gabriel Gárcia Márques. Quantas histórias e emoções eles já nos deram.

Viajar numa leitura é abrir mão do real e embarcar em devaneios e  nos permitir sempre que não importa onde chegaremos, mas sim, o que vivemos. Sinto falta de no momento não ter tempo para ler como eu desejo, mas juro que vou tentar encontrar oportunidade. A leitura nos permite avaliar melhor a vida e as pessoas diante de situações e experiências incríveis.

Acho que já comentei aqui tempos atrás que tenho um amigo que estava no exterior e que agora voltou ao Brasil para ficar de vez, o nome dele é Juarez Botelho, uma velho amigo, e que eu aprendi muito com sua larga experiência de vida. Uma das coisas que ele me fez ver foi que precisamos sempre estar em ebulição.

Viver é uma dádiva, agora escolher como viver é o que temos nesse livre arbítrio da vida. Grande Juarez, já estava sentindo falta de seus conselhos meu velho amigo. Outro dia falo mais sobre esse guru que sempre recorro quando desejo compreender a vida.

Então, vamos aproveitar o inverno, que esse ano parece que será mais frio e ler mais! Ler é o elixir da mente. Mente sã, corpo sã e biblioteca vazia. Vamos comprar livros, não precisa ser em lojas que vendem livros novos com preço altos. Podemos comprar livros em sebos, e olha que existem ótimos livros. Trocar livros também é uma opção. Vamos ler e lembre-se: um povo só evolui quando faz da leitura seu alicerce. O medo da vida sucumbe ao mais belo modo de vivê-la.

Por

Jornalista e comentarista esportivo. Moro em Niterói há 22 anos. Fã de cultura e esportes. Ex-editor em jornais na cidade do Rio de Janeiro. Atualmente me dedico à interatividade cultural. Acredito na importância da divulgação por todos os meios da cultura nesse país.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e