Cristo Redentor e mais três prédios recebem iluminação amarela no Rio

O Brasil nunca apresentou um número considerável de suicídios, mas hoje os registros vêm crescendo e se tornando preocupantes, diz o psiquiatra Hugo Fagundes

Quatro pontos da cidade do Rio de Janeiro receberam na noite dessa terça-feira (10) iluminação amarela, marcando a passagem do Dia Mundial de Prevenção ao Suicídio. A data faz parte do Movimento Setembro Amarelo, criado há quatro anos, com o objetivo de chamar a atenção da sociedade para o suicídio. A ação tem a parceria do Centro de Valorização da Vida (CVV).

No centro do Rio, tiveram iluminação especial o Palácio Tiradentes (sede da Assembleia Legislativa do estado) e o prédio da Central do Brasil. Na zona norte, o Castelo da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e, no Alto da Boa Vista, dentro do Parque Nacional da Tijuca, o Cristo Redendor.

Também nessa terça, a Secretaria Municipal de Envelhecimento Saudável, Qualidade de Vida e Eventos promoveu uma série de ações de divulgação da campanha Setembro Amarelo em diferentes pontos da cidade. Idosos que participam de  projetos da prefeitura usaram roupas amarelas para distribuir panfletos com informações e chamar a atenção para a necessidade de prevenção do suicídio.

Em Botafogo e na Lagoa, na zona sul da cidade, professores do projeto Rio ao Ar Livre deram aulas de ginástica. No Parque Lage, no Jardim Botânico, outro grupo participou de uma roda de conversa com o psiquiatra Hugo Fagundes, superintendente de Saúde Mental da prefeitura.

De acordo com o psiquiatra, o Brasil nunca apresentou um número considerável de suicídios, mas hoje os registros vêm crescendo e se tornando preocupantes. “Quando alguém entra em sofrimento, a primeira coisa a fazer é conversar. Não adianta dar conselho, tem que oferecer ajuda. Precisamos uns dos outros para formar uma rede de sustentação para nós mesmos”, disse Fagundes.

O titular da Secretaria Municipal de Envelhecimento Saudável, Qualidade de Vida e Eventos, Felipe Michel, ressaltou que políticas públicas voltadas para a prevenção do suicídio são essenciais.

“A depressão, uma das causas do suicídio, ainda é um tabu no nosso país. Muitas vezes, as pessoas que sofrem desse mal não são levadas a sério, não procuram tratamento e veem a possibilidade de acabar com a vida como única opção. Os governos precisam dar informações, suporte e estrutura para elas. Só assim o número de casos pode diminuir”, alertou o secretário.

Por

Webjornal O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.