Crise climática está afetando as chuvas em furacões

E à medida que as mudanças climáticas se aceleram, o cientista Kevin Reed disse que espera que as tempestades mais fortes tenham taxas de chuva ainda maiores

As chuvas de furacões durante a mortal e recorde temporada de 2020 foram até 11% mais intensas por causa da crise climática causada pelo homem, relataram cientistas nesta terça-feira (12).

Um estudo, publicado na revista Nature Communications, descobriu que o aquecimento global sobrecarregou as taxas de chuva por hora em tempestades tropicais e furacões em 5% a 10%. Quando analisaram apenas os furacões –as tempestades mais fortes– o aumento foi de 8% a 11%.

“O que isso significa não é apenas que as mudanças climáticas estão afetando nossa temporada de furacões, mas também estão afetando um pouco mais as tempestades mais extremas”, disse Kevin Reed, cientista climático e de furacões da Universidade Stony Brook e principal autor do estudo.

“Então, a principal conclusão é que a mudança climática está aqui e já está afetando nossas temporadas de furacões”.

Furacões –também chamados de ciclones tropicais ou tufões fora da América do Norte– são enormes motores de calor do vento e da chuva, alimentando-se da água quente do oceano e do ar úmido. E os cientistas se tornaram cada vez mais confiantes ao longo dos anos de que a crise climática está os tornando mais potentes.

Atrás das ondas de tempestade, as inundações das chuvas são o segundo maior causador de mortes em furacões e tempestades tropicais. O estudo sugere que a ameaça já vem aumentando nas últimas décadas e provavelmente deverá crescer ainda mais no futuro, porque o ar mais quente pode reter mais vapor de água, o que leva a taxas de chuva mais altas.

A temporada de furacões no Atlântico de 2020 foi a mais ativa já registrada, com 30 tempestades nomeadas. A temporada rasgou o alfabeto tão rapidamente que as autoridades tiveram que usar letras gregas como nomes a partir de setembro. Doze tempestades nomeadas atingiram a costa dos EUA, incluindo Laura e Delta, que devastaram partes da Costa do Golfo.

A ciência da atribuição das mudanças climáticas, que se concentra no papel que o aquecimento global causado pelo homem desempenhou em certos eventos climáticos extremos, fez avanços significativos na última década, de acordo com o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) da Organização das Nações (ONU).

À medida que os humanos continuam a bombear gases de efeito estufa na atmosfera, a Terra continuará a aquecer e os impactos dos furacões se tornarão piores, dizem os cientistas.

Allison Wing, pesquisadora de clima da Universidade Estadual da Flórida, disse que o estudo está alinhado com o que os cientistas previram.

“Este estudo, consistente com a avaliação de especialistas, implica que as chuvas de furacões continuarão a aumentar com o aquecimento futuro”, disse Wing.

“No geral, este estudo aumenta nossa expectativa de que, em um mundo mais quente, corremos mais risco de tempestades mais fortes e úmidas”.

E à medida que as mudanças climáticas se aceleram, Reed disse que espera que as tempestades mais fortes tenham taxas de chuva ainda maiores.

“O que é importante saber é que se o furacão Katrina existisse em 2022, se isso acontecesse nesta próxima temporada, as chuvas dessa tempestade seriam maiores do que em 2005”, disse Reed.

“Todos esses registros históricos que entendemos no passado; quando Nova York planeja garantir que os impactos do furacão Sandy não aconteçam da mesma maneira que aconteceram em 2012, temos que planejar o que o furacão Sandy faria como em 2030 ou 2040.”

A menos que o mundo mude de rumo e reduza drasticamente o uso de combustíveis fósseis, Reed disse que as pessoas devem esperar efeitos progressivamente piores da temporada de furacões.

“A mudança climática não é apenas um problema daqui a 70 anos. A mudança climática está aqui e está impactando nosso clima no dia a dia”, disse Reed.

“Precisamos nos adaptar e tornar nossos sistemas mais resilientes, mas temos que usar isso como um sentido para informar a tomada de decisões sobre como reduzir nossa dependência de combustíveis fósseis que produzem esses gases de efeito estufa”.

Cientistas em 2020 relataram outra mudança significativa nos furacões dos EUA: eles estão mantendo sua força por muito tempo depois de chegarem à terra firme. Normalmente, os furacões enfraquecem quando se movem sobre a terra porque perderam o acesso à água quente do oceano que os sustenta. A mudança significa que áreas mais para o interior estão sofrendo impactos mais significativos do que nas décadas passadas. CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e