Com salto ou sem salto: sou o que eu quiser!

Nós temos a visão de que “Mulher Empreendedora” é aquela que está sempre no topo com seu lindo salto alto e cheia de postura, não é mesmo?! Mas, infelizmente, muitas destas mulheres estão sendo arrancadas do topo pelos seus cabelos, seus saltos estão sendo quebrados pelos empurrões, agressões e sua postura está no chão.

Não duvide que esta mulher é uma empreendedora, ela apenas está sendo vítima do caos que nos últimos tempos tem tomado o coração de homens sem escrúpulos e que não conseguem admitir que a mulher pode ser o que ela quiser, inclusive dona de si mesma e empreendedora.

Eu quis abordar este tema novamente aqui na “coluna” para enfatizar o quanto as mulheres “ainda” estão sofrendo por conta da sua liberdade pessoal e profissional. As mulheres estão vencendo as barreiras do preconceito e até mesmo da omissão, mas, para algumas, o preço deste enfrentamento tem sido muito alto e elas se questionam se devem ou não seguir sendo vítimas ou guerreiras.

Não pensem que, por elas serem empreendedoras, serão fortes o tempo inteiro, principalmente quando na vida delas existe um agressor dominado pela raiva e ódio de ver o quanto elas podem aparecer e ganhar, e esta ameaça pode levá-las ao óbito e por isso surge a fraqueza e o medo que pode sim balançar sua estrutura, mesmo que ela seja determinada.

Não somos fortes o tempo inteiro, mas também não somos sacos de pancada

Esta semana conversei com a Denise (nome fictício), ela é empresária no ramo de confecções, tem uma fábrica de biquínis e roupas de ginástica. Em sua confecção emprega mais de 20 mulheres, fora os que fazem serviços de entrega e no administrativo. Mas, ela só conseguiu chegar onde chegou por um acidente.

Sempre foi guerreira, determinada e sonhadora e, a cada subida de grau, uma agressão a acompanhava. Seu marido a espancava e por um tempo a paralisava por conta das feridas deixadas em seu corpo, mas ela logo reagia e voltava a trabalhar, e este ciclo de crescer, apanhar, parar e reagir foram seguidos anos, até ao ponto de ela tomar coragem e o denunciar e o mandar embora de casa.

Como disse acima, o enfrentamento tem preço, e com Denise não foi diferente. Ele a esfaqueou para matar e fugiu, por sorte uma de suas funcionárias a socorreu imediatamente e ela resistiu. Quando seguia com sua vida normal, mas tensa (é claro) sem saber o paradeiro deste sujeito. Como era previsto, ele voltou para terminar o serviço e desta vez com uma arma e atirou em sua cabeça, deixando-a em coma por meses. Desta vez ele foi pego em flagrante e preso. Dentro da prisão, ele contraiu uma hepatite que o levou a morte. E ela, depois de meses, saiu do coma e retomou a sua vida, graças a Deus que a protegeu e a sua determinação de viver.

Perguntei a ela se existe algum trauma, e se ela pensa em ter novos relacionamentos, a resposta foi simples: “Sim, quero me relacionar novamente, mas desta vez com um homem que aceite a ser parceiro e colaborador do meu sucesso, eu trocaria o nome trauma por precauções, sou mais precavida com quem entra em minha vida.”

O medo surge com força, mas a nossa vontade de viver tem que ser maior

O percentual que permanece no atendimento social após o registro de ocorrência ainda é pequeno comparado ao número de BOs protocolados, segundo relatos da Secretaria de Segurança Pública. Pesquisas feitas pela mesma Secretaria de Segurança Pública e pelo Centro de Referência da Mulher Márcia Calixto, e da Secretária Waleska Vasconcellos da Secretaria Adjunta da Mulher revelam que o perfil das vítimas geralmente são:

Mulheres que tem entre 30 e 59 anos;
Mulheres com renda entre R$ 700 e mais de R$ 2 mil;
Mulheres com nível superior.

Mais de 50% delas sofreram violência física e 75%, psicológica. A sexual está presente no relato de 23%. Estes dados comprovam o quanto uma MULHER BEM SUCEDIDA ainda tem sofrido maus tratos físicos e verbais.

É inadmissível que um homem nos dias de hoje ainda carrega em sua mente pensamentos primitivos e um coração machista, individualista e egoísta. Mulher não é uma propriedade para ser negociada, não é um objeto para ser jogado, não é uma lata de lixo onde você joga palavras podres e muito menos um saco de pancadas para ser boxeada.

Se você homem souber o quanto de força e valor existe na mente, alma, coração de uma mulher, estará feito!!!!!

Uma MULHER EMPREENDEDORA tem uma mente inteligente e pronta para acelerar sua vida financeira e, mesmo sendo uma mulher de negócios, ainda carrega em si um coração ajudador e pronto para amar, e ela tem uma alma digna que sabe respeitar, valorizar e ser fiel no companheirismo.

Uma MULHER EMPREENDEDORA soma ao lado de qualquer homem. Mas homem, não se aproveite deste DOM. Ela também sabe viver muito bem sozinha, se preciso for! Nunca esqueça disto!

Na vida de uma MULHER EMPREENDEDORA existe sim altos e baixos, mas o diferencial está no FOCO que ela tem e digo mais: Nenhuma dor e nenhum desapontamento fecha o seu obturador. Pode a deixar em coma, mas a vontade de viver e de crescer é tão intensa que ela retoma o ar e abre os olhos.

Mulheres, não se deixem abater. Se houver qualquer ameaça contra sua vida, colha provas e leve a uma delegacia e registre uma ocorrência. Você não nasceu para apanhar e nem para se intimidar. Um agressor bate hoje em você, e mesmo que ele saia da sua vida, ele vai continuar a fazer vítimas, por isso, há esta necessidade de fazer um BO, não seja egoísta! Isso mesmo, quando um agressor sai ileso de um relacionamento e te deixa “arrebentada”, o seu medo de denunciar a torna egoísta, pois ele irá fazer o mesmo com outra mulher, e você precisa interromper as atitudes deste ser doente. Fica a dica.

Mulheres, somos o quisermos ser! Com salto ou sem salto, somos empreendedoras, eles querendo ou não! Ok?!

Eu acredito em você!

Por

* Radialista, Fotógrafa e Palestrante Motivacional.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e