Com novo presidente, ações da Petrobras fecham acima de 6,5% com exterior positivo

Neste pregão, o papel ordinário da companhia (PETR3) subiu 6,99%, a R$ 30,93. Já a ação preferencial (PETR4) avançou 6,62%, a R$ 28,03

As ações da Petrobras operaram entre as principais altas do Ibovespa nesta segunda-feira (27), refletindo tanto um contexto positivo no mercado, com valorização generalizada de papéis ligados a commodities, quanto uma recepção favorável à eleição de Caio Mario Paes de Andrade como presidente da estatal.

Neste pregão, o papel ordinário da companhia (PETR3) subiu 6,99%, a R$ 30,93. Já a ação preferencial (PETR4) avançou 6,62%, a R$ 28,03.

Andrade foi indicado pelo governo federal em maio para o cargo, mas a expectativa é que ele seria aprovado em Assembleia Geral Extraordinária de acionistas apenas em julho. Com a renúncia de José Mauro Ferreira Coelho, o processo acabou sendo acelerado.

Na última sexta-feira (24), o Comitê de Elegibilidade da estatal aprovou o nome de Andrade, permitindo a votação. A aprovação, entretanto, não foi unânime. O nome recebeu três votos favoráveis e um contrário. Segundo a analista da CNN Raquel Landim, houve divergências sobre o conhecimento e a experiência dele para ocupar o cargo.

Flavio Conde, analista de ações da Levante Investimentos, avalia que o desempenho da estatal nesta sessão reflete uma combinação de fatores positivos.

De um lado, o mercado opera com mais otimismo em meio à expectativa de que os Estados Unidos não terão um ciclo de alta de juros tão agressivo quanto o esperado, o que ajudou as bolsas norte-americanas a fecharem com a primeira alta semanal em meses.

“Estávamos atrasados, e as commodities passaram a subir hoje, junto com as ações. Tivemos uma queda exagerada, um mercado muito descontado, aí as ações ficaram atrativas e o mercado passa a comprar, permitindo essa recuperação”, avalia Conde.

Ao mesmo tempo, a aprovação de Caio Mario Paes de Andrade foi bem recebida pelo mercado.

De acordo com a ata da reunião do Comitê de Elegibilidade da estatal, Andrade negou ter recebido qualquer “orientação específica ou geral” do governo para mudar a política atual de preços dos combustíveis da Petrobras, que segue a cotação internacional do barril de petróleo.

Uma possível interferência na política é, segundo Conde, o grande risco para as ações no momento. Caso ela ocorra, os papéis tenderiam a cair com uma retirada de investimentos. Sem essa perspectiva, a tendência é de alta devido ao forte desconto do ativo em relação aos seus fundamentos técnicos.

Em relatório, analistas da Eleven Financial afirmaram que o nome de Paes de Andrade ” possui boas qualidades técnicas, mas não possui experiência no setor de óleo e gás”.

“Acreditamos que futuros reajustes de preços ocorram após um período mais longo que os últimos, para não repassar a forte volatilidade dos preços do mercado internacional. Enquanto isso, esperamos que as cotações da empresa continuarão sofrendo negativamente pelas incertezas referente à sua política de preços”, avaliam.

Já para Conrado Ramos José, “o petróleo e outras commodities estão subindo nesta segunda-feira, o que impulsiona as ações de empresas do setor”. CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e