Cientistas encontram fósseis de ‘lagarto-peixe’, uma das maiores criaturas que já existiu

As criaturas antigas podiam atingir 80 toneladas e 20 metros de comprimento, rivalizando com os cachalotes modernos

Pesquisadores encontraram fósseis de répteis marinhos gigantes e extintos foram encontrados em um lugar improvável: nas altas altitudes dos Alpes suíços.

Os fósseis pertencem a três ictiossauros e podem ter sido alguns dos maiores animais que já viveram na Terra, de acordo com um novo estudo. As criaturas antigas podiam atingir 80 toneladas e 20 metros de comprimento, rivalizando com os cachalotes modernos.

Esses “lagartos-peixe” apareceram pela primeira vez no oceano cerca de 250 milhões de anos atrás, parecendo um pouco com golfinhos com corpos alongados e cabeças pequenas. Eles surgiram depois que a extinção em massa do Permiano eliminou mais de 95% das espécies marinhas.

Mas há 200 milhões de anos, os ictiossauros gigantes foram extintos e apenas os menores, mais parecidos com golfinhos, viveram até 90 milhões de anos atrás.

Um estudo detalhando a descoberta foi publicado nesta quinta-feira (28) no Journal of Vertebrate Paleontology.

Então, como os restos de enormes criaturas marinhas, incluindo uma maior que uma pista de boliche, acabaram a uma altitude de 2.800 metros?

Cerca de 200 milhões de anos atrás, essas camadas de rocha eram o fundo de uma grande lagoa.

“Acreditamos que os grandes ictiossauros seguiram cardumes de peixes na lagoa. Os fósseis também podem derivar de animais abandonados que morreram lá”, disse o coautor do estudo Heinz Furrer, curador aposentado do Instituto e Museu Paleontológico da Universidade de Zurique, em um comunicado.

Mas o dobramento dos Alpes, que começou há 95 milhões de anos, quando a placa tectônica africana começou a empurrar a placa tectônica europeia, criou pilhas de camadas de rochas cerca de 30 a 40 milhões de anos atrás. Os fósseis foram “deformados tectonicamente”, esmagados pelos movimentos das placas tectônicas que os empurraram para uma formação rochosa no topo de uma montanha.

“Você tem que ser uma espécie de cabra da montanha para acessar as camas relevantes”, disse o principal autor do estudo, P. Martin Sander, professor de paleontologia de vertebrados da Universidade de Bonn, na Alemanha, em um comunicado.

“Eles têm a propriedade irritante de não ocorrer abaixo de cerca de 2.438,4 metros, muito acima da linha das árvores”.

Embora essas criaturas tenham governado os mares, os fósseis são raros, o que criou um grande mistério para os paleontólogos. Mas os restos desses ictiossauros lançaram uma nova luz sobre essas criaturas enigmáticas e extintas.

Um dente enorme

Os fósseis pertenciam a três ictiossauros diferentes. Um tinha cerca de 20 metros de comprimento, enquanto o outro tinha 15 metros de comprimento. Mas a descoberta mais emocionante associada a esses fósseis é o maior dente de ictiossauro já encontrado.

“Isso é enorme para os padrões dos ictiossauros: sua raiz tinha 60 milímetros de diâmetro – o maior espécime ainda em um crânio completo até hoje tinha 20 milímetros e veio de um ictiossauro que tinha quase 18 metros de comprimento”, disse Sander.

Os cientistas sabem que os ictiossauros menores tinham dentes, mas a maioria dos gigantes não tinha dentes, e supunha-se que eles se alimentavam de cefalópodes, como lulas, por sucção.

Os ictiossauros gigantes com dentes provavelmente eram semelhantes aos cachalotes e orcas de hoje, usando seus dentes para capturar presas como lulas gigantes.

Mas o dente apresenta um desafio porque foi quebrado na coroa. Embora os pesquisadores saibam que era um dente de ictiossauro por causa de características únicas, como a dobra de dentina na raiz do dente, eles não podem ter certeza de que o tamanho do dente reflete o tamanho do animal.

“É difícil dizer se o dente é de um grande ictiossauro com dentes gigantes ou de um ictiossauro gigante com dentes de tamanho médio”, disse Sander.

Isso porque, segundo os pesquisadores, ser gigante e ser predador (com dentes) não se alinham — por isso a baleia azul, que pesa 150 toneladas e pode chegar a 30 metros de comprimento, não tem quaisquer dentes. Em vez disso, filtra pequenas criaturas da água.

Enquanto isso, os cachalotes, que pesam 50 toneladas e atingem 20 metros de comprimento, são caçadores.

“Os predadores marinhos, portanto, provavelmente não podem ficar muito maiores do que um cachalote”, disse Sander.

Gigantes nas montanhas

Os fósseis foram descobertos pela primeira vez durante o mapeamento geológico dos Alpes entre 1976 e 1990. Furrer fez parte da equipe original que recuperou os fósseis das rochas, conhecidas como Formação Kössen, e lembra de segurar os fósseis em sua mão quando estudante de doutorado em a Universidade de Zurique.

Com o tempo, os fósseis foram em grande parte esquecidos.

“Recentemente, porém, mais restos de ictiossauros gigantes apareceram”, disse Furrer. “Por isso, pareceu valer a pena analisar os achados suíços novamente com mais detalhes.”

Fósseis de ictiossauros foram encontrados em todo o mundo, mas os restos de espécies gigantes se concentraram na América do Norte. Encontrar esses espécimes na Suíça moderna expande seu alcance.

Evidências anteriores sugeriram que alguns deles poderiam atingir o tamanho das baleias azuis, maior animal do mundo.

“Em Nevada, vemos o início de verdadeiros gigantes e nos Alpes o fim”, disse Sander.

“Apenas os golfinhos de tamanho médio a grande – e formas semelhantes a orcas sobreviveram no Jurássico (Período)”, entre 145 e 201 milhões de anos atrás.

Sander se pergunta se existem mais “criaturas marinhas gigantes escondidas sob as geleiras”. Mas esses fósseis ajudam a preencher uma lacuna de conhecimento sobre os lagartos marinhos gigantes.

“É um grande constrangimento para a paleontologia sabermos tão pouco sobre esses ictiossauros gigantes, apesar do tamanho extraordinário de seus fósseis”, disse Sander.

“Esperamos enfrentar esse desafio e encontrar fósseis novos e melhores em breve”.

CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e