Cerca de 43,5% dos rios do mundo têm altas quantidades de medicamentos

Como consequência, os microrganismos resistentes a medicamentos presentes na água podem provocar outra pandemia

Um estudo publicado na revista científica Environmental Toxicology and Chemistry descobriu que componentes farmacêuticos foram encontrados em 43,5% dos 1.052 rios avaliados.

De acordo com a pesquisa, realizada localizações fluviais de 104 países, 23 ingredientes farmacológicos presentes nas amostras coletadas excederam a concentração considerada “segura”.

Segundo a autora Alejandra Bouzas-Monroy, da Universidade de York, “esta é a primeira avaliação verdadeiramente global dos impactos de medicamentos únicos e misturas de produtos farmacêuticos em sistemas ribeirinhos”, disse em um comunicado.

Em 461 dos 1.052 locais de amostragem monitorados, pesquisadores encontraram substâncias como antidepressivos, antimicrobianos, antifúngicos, analgésicos, progesterona, bloqueadores de canis de cálcio (usados no tratamento de hipertensão arterial) e outros.

As maiores concentrações cumulativas das substâncias em águas superficiais foram observadas na África Subsaariana, Sul da Ásia e América do Sul, sendo Lahore, no Paquistão, o sistema mais poluído.

Com relação aos componentes, o fármaco mais frequentemente nas amostras foi o carbamazepina (um anticonvulsivante), seguido da metformina (usado no tratamento para diabetes tipo 2) e cafeína (um estimulante e produto químico de estilo de vida), todos detectados em mais da metade dos sistemas monitorados.

“Nossas descobertas mostram que uma proporção muito alta de rios em todo o mundo está ameaçada pela poluição farmacêutica. Devemos, portanto, fazer muito mais para reduzir as emissões dessas substâncias no meio ambiente”, disse Bouzas-Monroy.

Poluição farmacêutica

Um relatório das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) mostrou que 90% dos antibióticos são lançados no meio ambiente ainda como substâncias ativas, por meio de esgotos ou por defecação a céu aberto. Como consequência, os microrganismos resistentes a medicamentos presentes na água podem provocar outra pandemia.

O documento também mostrou que o descarte incorreto de antibióticos no meio ambiente amplia a ameaça da resistência antimicrobiana.

Estima-se que somente em 2015 foram consumidas 34,8 bilhões de doses diárias de antibióticos. O aumento no número de bactérias resistentes aos medicamentos, chamadas popularmente de superbactérias, coloca em risco a saúde de humanos e de animais em todo o mundo.

De acordo com o estudo, para cumprir os objetivos estipulados pela ONU, a poluição farmacêutica precisa ser resolvida com urgência.

“Se quisermos cumprir os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, particularmente o Objetivo 6, “Água Limpa e Saneamento”, precisamos urgentemente enfrentar o problema global da poluição farmacêutica”, escreveram.

O Objetivo 6 da ONU tem como meta, até 2030, melhorar a qualidade da água, reduzindo a poluição, eliminando despejo e minimizando a liberação de produtos químicos e materiais perigosos, reduzindo à metade a proporção de águas residuais não tratadas e aumentando substancialmente a reciclagem e reutilização segura globalmente. CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e